Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Que futuro para o novo partido das FARC?

Que futuro para o novo partido das FARC?
Tamanho do texto Aa Aa

Na Colômbia os antigos rebeldes das FARC lançaram na sexta-feira, dia 1 de setembro, um novo partido político.

Mantendo a mesma sigla, as antigas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia passam agora a designar-se como Força Alternativa Revolucionária da Colômbia, partido que irá concorrer nas eleições gerais previstas para o próximo ano.

No entanto, como explica o analista Ariel Avila, o processo de paz ainda não terminou.

“Se um guerrilheiro for eleito congressista e após um ano, em 2019, for condenado, ele poderá continuar a fazer política desde que diga a verdade, peça perdão, faça reparações e dê garantias de que não voltará à vida armada”, segundo o diretor da Fundação para Paz e Reconciliação.

Apesar de reinar a paz desde a assinatura do acordo de paz em 2016 e a conclusão do processo de entrega das armas em junho passado, registou-se um aumento de 31% nos assassinatos de líderes comunitários, entre eles alguns relacionados com as FARC.

Segundo Ariel Avila, “a Colômbia tem um grande problema. Há conflitos de terras, de verdade e de política. Existem elites regionais que beneficiaram com este conflito e que estão preparadas para matar a fim de manter o status quo. É por isso que há gente que não quer o processo de paz”.

Desde 23 de abril que familiares de guerrilheiros e combatentes têm sido mortos. As FARC reclamam proteção.

“Pensamos e reivindicamos que se o governo está verdadeiramente empenhado na paz, um dos objetivos principais seria começar a desmantelar o sistema paramilitar neste país”, adianta Fredy Pastor, antigo guerrilheiro.

Apesar dos desafios, muitos antigos combatentes estão otimistas relativamente ao futuro.

Começa agora a etapa mais difícil para o novo partido FARC. Trata-se de vender as ideias revolucionárias em formato de partido político após 53 anos de conflito. O discurso terá que mudar embora os ideiais revolucionários se mantenham intactos.

Bogotá, Héctor Estepa, para Euronews”