Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Light in Babylon, das ruas de Istambul para o mundo

Light in Babylon, das ruas de Istambul para o mundo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Versão portuguesa: Ricardo Figueira

Fomos ao encontro da voz das ruas, Light in Babylon. A carreira deles começou em Istambul, na rua İstiklal. Agora, estão entre os grupos mais procurados para os festivais de música na Europa. O grupo é um cruzamento de culturas: A vocalista, Michal Elia Kamal é israelita de origem iraninana, Julien Debarque é francês, Metahan Çiftçi é turco. Stuart Dickson e Jack Butler são britânicos. Talvez por isso, atraem fãs de de várias línguas, religiões e sensibilidades.

“Há muçulmanos que me escrevem a dizer que adoram a nossa música. Que os fazemos chorar, que transmitimos emoções. Há budistas, judeus, cristãos, ateus a escrever-me. Todos dizem o mesmo. Isso significa que conseguimos, que fizemos algo de importante. Vamos além da língua e da cultura. Falamos ao ser humano dentro de cada um de nós”, conta Michal Elia Kamal.

Julien Demarque, guitarrista, explica como a música do grupo é uma mistura de influências: “Juntamos muitos elementos e tentamos misturá-los. Por isso, a nossa música é tão diversa. Porque vimos de lugares diferentes. Estamos no centro de Istambul, temos muita influência de Istambul, da música cigana, da música clássica turca, da música dos Balcãs, que é parecida e também muito popular. A música do Mar Negro e o Flamenco também nos influenciaram”.

Metehan Çiftçi toca Santoor, um instrumento tradicional iraniano e quer chegar a todo o tipo de pessoas: “É o espírito que encontramos nas ruas, em Istambul. Há muita gente a passar por lá e há diferentes ideias, diferentes filosofias. Todos juntos a ouvir-nos.

“Os nossos fãs são os Light in Babylon. Não somos nós de um lado e o público do outro. É um círculo. Fazemos canções que passam para os corações das pessoas. Graças ao feedback delas, fazemos novas canções. É um círculo. Se não for assim, não vale a pena continuar”, acrescenta a vocalista.

O grupo tem já três álbuns e está agora a trabalhar no quarto.