A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Myanmar recusa acusações de genocídio dos Rohingya

Myanmar recusa acusações de genocídio dos Rohingya
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em menos de três semanas, quase 300 mil pessoas da minoria Rohingya refugiram-se no Bangladesh para escapar à violência na antiga Birmânia. Os Rohingya são apátridas, não são reconhecidos por nenhum Estado.

A primeira-ministra do Bangladesh visitou um campo de refugiados, na fronteira entre o Myanmar e o Bangladesh.

“Sei o que se passou em 1971 connosco. A minha irmã aqui presente sabe o que se passou. A nossa família foi assassinada. Fomos para o estrangeiro e tivemos de viver como refugiados durante anos”, afirmou Sheikh Hasina.

Na ONU, o Myanmar rejeitou as acusações de genocídio contra os Rohingya.

“Usar esses termos de forma imprudente, sem provas, mancha a credibilidade do nosso governo. O grupo terrorista Exército Arakan de Salvação Rohingya está a incitar o povo a deixar as casas dando-lhe falsas esperanças de instalação num país terceiro”, afirmou Htin Lynn, embaixador do Myanmar nas Nações Unidas, em Genebra.

No domingo, o grupo rebelde financiado pela Arábia Saudita anunciou uma trégua de um mês para negociar uma solução para a crise humanitária. O governo do Myanmar respondeu que não negoceia com terroristas.