Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rohingya morrem em naufrágio e Mogherini considera a situação "inaceitável"

Rohingya morrem em naufrágio e Mogherini considera a situação "inaceitável"
Tamanho do texto Aa Aa

Queriam chegar a porto seguro, mas o barco que os trazia naufragou. Vários refugiados rohingya, que tentavam escapar do território birmanês, morreram antes de alcançar a cidade de Teknaf, no Bangladesh. Entre eles contam-se crianças.

Tudo isto acontece pouco depois de António Guterres, o secretário-geral da ONU, dizer que há uma “limpeza étnica “ em curso.

Esta quinta-feira, foi a vez de a responsável diplomática da União Europeia se pronunciar. “Temos bem a noção e estamos preocupados com os excessos cometidos durante as operações conduzidas pelas forças de Myanmar. Isso resultou numa saída massiva de refugiados para o Bangladesh, naquela que é uma das mais graves crises de refugiados da atualidade. É uma situação totalmente inaceitável que ameaça desestabilizar toda aquela região”, declarou Federica Mogherini.

Os números são esclarecedores: mais de 400 mil refugiados da minoria muçulmana rohingya procuraram abrigo no sul do Bangladesh e contam-se, pelo menos, cerca de 400 mortos desde que os confrontos eclodiram. A ajuda humanitária começou a chegar ao campo de Kutupalong. Muitas vezes os refugiados atropelam-se para conseguir alimentos e cobertores para as suas famílias.