Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Conselho de Segurança da ONU condena míssil balístico norte-coreano

Conselho de Segurança da ONU condena míssil balístico norte-coreano
Tamanho do texto Aa Aa

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou “firmemente” o lançamento do míssil balístico norte-coreano.

As Nações Unidas condenam com firmeza o lançamento do míssil balístico norte-coreano que sobrevoou território do Japão. Um comunicado divulgado depois da reunião de urgência do Conselho de Segurança, na sexta-feira, considera que se tratou de um ato “altamente provocatório”.

O comunicado, aprovado pelos 15 membros do Conselho de Segurança, incluindo o Japão, membro não permanente, foi lido pelo atual presidente do Conselho, o embaixador da Etiópia Tekeda Alemu:

“O Conselho de Segurança condena o lançamento altamente provocador de um míssil balístico pela República Popular Democrática da Coreia. O Conselho sublinhou que todos os Estados membros devem implementar de forma completa, abrangente e imediata todas as resoluções relevantes do Conselho de Segurança.”

Para o embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, é preciso pensar fora da caixa:

“Discutimos, durante algum tempo, que nos encontramos realmente num círculo vicioso. Temos uma resolução, seguida de uma provocação, uma provocação, uma resolução e outra provocação e refletimos sobre isto, muitas pessoas levantaram a questão, sobre a necessidade de, em determinado momento, pensarmos talvez fora da caixa.”

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo condenou o lançamento do míssil, mas lamentou a retórica agressiva de Washington, enquanto Vladimir Putin e o presidente francês Emmanuel Macron pediram que sejam retomadas as conversações diretas com Pyongyang.

Pressionada pelos Estados Unidos, a China mantém que as sanções não vão resolver o problema, pois a solução passa obrigatoriamente pelo via diplomática.

O míssil balístico disparado na noite de quinta-feira pela Coreia do Norte esteve no ar cerca de 19 minutos a uma altitude de 770 quilómetros, sobrevoado a ilha de Hokkaido, no Japão e caiu no mar depois de ter percorrido 3700 quilómetros.

Dissuasão

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, disse na sexta-feira que, com o lançamento do míssil de médio alcance Hwasong-12, a República Popular Democrática da Coreia pretendeu “acalmar a beligerância dos EUA” e estabelecer um equilíbrio de forças dissuasor, face às ameaças norte-americanas de “opção militar”.