EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Comunidade internacional reage a Suu Kyi

Comunidade internacional reage a Suu Kyi
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A última onda de violência sobre os muçulmanos Rohingya já deslocou mais de 400 mil para o Bangladesh. A líder de Myanmar falou sobre o tema pela primeira vez

PUBLICIDADE

A líder de Myanmar quebrou o silêncio e fez um discurso televisivo de 30 minutos na capital birmanesa sobre a onda de violência que fez com que mais de 400 mil muçulmanos Rohingya abandonassem o país, maioritariamente budista, em direção ao Bangladesh.

As Nações Unidas, que classificaram o caso dos Rohingyas como um “exemplo académico de limpeza étnica”, fez mais um apelo, pela voz do Secretário-Geral, António Guterres:

“As autoridades em Myanmar têm de pôr fim às operações militares, permitir acesso humanitário sem restrições e reconhecer o direito dos refugiados a regressar em segurança e com dignidade.

Em Myanmar, os Rohingya são considerados imigrantes ilegais e vistos como cidadãos do Bangladesh, mesmo que tenham residido no estado de Rakhine durante décadas. O Bangladesh olha-os como cidadãos birmaneses. A China posiciona-se na proximidade asiática, como deixa entender o embaixador chinês em Myanmar, Hong Liang: “O discurso vai ajudar a comunidade internacional a ter melhor entendimento sobre a situação aqui em Myanmar e em Rakhine.”

Aung San Suu Kyi foi prémio Nobel pela longa luta que manteve contra a imposição militar. No discurso que fez, referiu os Rohingya uma única vez, enquanto grupo militante que responsabilizou por “actos de terrorismo”. Declarou também que o governo precisa de tempo para apurar o que realmente se passa.

Abdul Hafiz é um refugiado Rohingya. Do discurso de Aung San Suu Kyi diz: “O que Aung San Suu Kyi disse ao povo dela e ao mundo é uma total mentira. Se o que ela disse não é uma mentira, então que deixe os media mundiais entrar em Rakhine para que possam ver se somos torturados ou felizes.

O conflito entre muçulmanos rohingya e budistas em Rakhine teve a 25 de agosto uma nova onda de violência numa contra-ofensiva militar de larga escala.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia envia submarino nuclear para Cuba para reavivar diplomacia naval

Rússia procura fortalecer alianças na cimeira do BRICS

Biden insinuou que o tio foi comido por canibais na Papua-Nova Guiné - e o país não gostou