Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Referendo é para se fazer"

"Referendo é para se fazer"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O líder regional da Catalunha afirma que o referendo sobre a independência da região vai realizar-se mesmo no dia 1 de outubro.

A polícia nacional espanhola realizou várias operações, nos últimos dias, que levaram à apreensão de milhões de boletins de votos, comprometendo a organização deste escrutínio proibido pela Justiça.

O presidente do Governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, afirma que tem um plano de contingência. “No dia 1 de outubro ocorrerá o referendo de autodeterminação que convocámos pois temos planos de contingência para assegurar que a votação prossegue. Vai prosseguir porque tem o apoio da imensa maioria da população que está cansada da arrogância e dos abusos do Governo do Partido Popular.”


O Governo de Mariano Rajoy afirma que está disposto a dialogar com as autoridades catalãs desde que suspendam a consulta popular que, de acordo com Madrid, viola a Constituição espanhola.

A vice-presidente do Governo de Espanha, Soraya Saenz de Santarmaria, afirma que o Executivo de Rajoy está “a defender os direitos de todos os catalães. A democracia defende-se nas instituições. Peço-lhes que não se escondam por detrás dos seguidores que podem levar para as ruas e que respeitem a democracia.”


O Governo de Madrid enfrenta uma das maiores crises políticas de Espanha desde do fim da ditadura de Franco, há quatro décadas.

O tribunal espanhol investiga se o Governo catalão gastou mais de 6 milhões de euros de fundos nacionais para organizar o referendo.

14 quadros do Governo regional foram detidos.

Milhares de efetivos da Polícia Nacional e da Guardia Civil foram destacados para a Catalunha.