Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

País Basco segue de perto referendo na Catalunha

País Basco segue de perto referendo na Catalunha
Tamanho do texto Aa Aa

Rentería é um dos feudos da Izquierda Abertzale, o partido nacionalista e independentista que emergiu depois do Batasuna ter sido ilegalizado e é, também, um dos 77 municípios do País Basco governado pelo Bildu, partido independentista de esquerda. O apoio ao referendo na Catalunha agendado para este domingo é visível nas ruas e no coração dos bascos.

“Gostava de uma independência como a que está a pedir o país catalão. Consideramos que fazemos parte do País Basco, que não pertencemos a Espanha, ainda que no bilhete de identidade digam que somos espanhóis” refere uma mulher.

“Maior autonomia sim, mas sem independência. Que se reconheça a identidade, um estado federal, mas não queremos a independência” defende um homem.

O Partido Nacionalista Basco chegou a avançar com uma iniciativa idêntica à da catalã que, em 2005, acabou por esbarrar no Parlamento espanhol. Uma experiência que, de acordo com o porta-voz do PNV no Parlamento basco, não põe em causa futuras iniciativas. “Acreditamos que podemos convencer formações políticas como o Partido Popular e o Partido Socialista. Estamos otimistas que podemos convence-los de que o princípio democrático deve prevalecer e servir de guia. E que os princípios da democracia e da liberdade dos cidadãos bascos sejam respeitados” afirma Joseba Eguibar.

O acordo entre os nacionalistas e o PSE – Partido Socialista Euskadi – revelou-se fundamental para a estabilidade no País Basco. Os socialistas insistem na via da legalidade e no papel assumido pela formação para evitar um cenário idêntico ao que se vive na Catalunha.

“A nós matavam-nos por pensar de forma diferente, por não defendermos as ideias de uns totalitários nacionalistas como eram os terroristas da ETA e pelo apoio social que tinham. Não desistimos quando nos mataram e muito menos agora que deixaram de o fazer. Defendemos um Governo próprio, uma descentralização do poder, acreditamos que foi um modelo bem-sucedido em Espanha” sustenta Idoia Mendia, Secretária-geral do PSE.

Carlos Marlasca, Euronews: “As concessões que o Governo de Mariano Rajoy fez ao País Basco, o nível de autonomia e a elevada qualidade de vida fazem com que aqui a independência continue presente, mas seja minoritária e pelo menos, por agora, esteja fora do debate político.”