EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Embaixada americana na Turquia suspende serviço de vistos

Embaixada americana na Turquia suspende serviço de vistos
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

A embaixada dos Estados Unidos em Ancara anunciou a suspensão de vistos a cidadãos turcos, em resposta à detenção na semana passada de um dos funcionários da representação diplomática americana em Istambul.

A decisão foi anunciada com este comunicado: “Os recentes acontecimentos forçaram o Governo dos Estados Unidos a reavaliar o compromisso do Governo da Turquia com a segurança das instalações e do pessoal da Missão dos EUA. A fim de minimizar o número de visitantes da nossa Embaixada e Consulados enquanto esta avaliação prossegue, efetivamente, suspendemos todos os serviços de vistos de não imigrantes em todas as instalações diplomáticas dos EUA na Turquia. “

O funcionário está acusado de espionagem e conspiração para derrubar o governo, com ligações à rede do clérigo Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, designado por Ancara como o cérebro da tentativa de golpe de estado na Turquia, em julho de 2016.

Ibrahim Kalin, porta-voz do presidente turco, explicou a detenção do funcionário pelo registo de chamadas telefónicas que sugerem uma intensa comunicação entre este e os responsáveis pela tentativa de golpe, nomedamente Adil Öksüz, considerado com um dos cabecilhas da intentona.

A embaixada americana estima que estas alegação são “sem fundamento”.

A recusa de Washington em extraditar Gullen tem feito crescer a tensão entre os dois países. A Turquia tem acusado sistematicamente os Estados Unidos de envolvimento na tentativa de golpe de estado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Já entrou em vigor a supressão de vistos entre Angola e Moçambique

Kim Jong-un promete apoio total a Putin na invasão russa da Ucrânia

Kim e Putin encontram-se em Pyongyang para expandir a cooperação económica e militar