Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

União Europeia preocupada com protecionismo chinês

União Europeia preocupada com protecionismo chinês
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente chinês Xi Jinping foi releito como secretário-geral do Partido Comunista Chinês numa plataforma que defende cada vez maior destaque desta potência na economia mundial, mas mantendo um elevado protecionismo interno.

Esta falta de reciprocidade preocupa a União Europeia, segundo o embaixador da União Europeia na China, Hans-Dietmar Schweisgut: “A questão do mercado mundial teve menos destaque no discurso do Presidente, em comparação com o passado. Agora ele fez mais menções ao papel do Estado”.


A China é o segundo maior parceiro comercial da União Europeia e, desde 2013, as partes negoceiam um Acordo de Investimento mais recíproco.

Embora a situação no setor dos produtos seja mais equilibrada, a China continua muito fechada no setor dos serviços, sobretudo financeiros.

“Sempre dissemos que a principal transformação que esperamos na China é que aceite abrir o seu mercado por forma a dar maiores oportunidades de investimento aos europeus, tal como as empresas chinesas já tem, atualmente, na Europa”, acrescentou Hans-Dietmar Schweisgut, numa entrevista à euronews, via Skype.


As principais exportações da União Europeia para a China são máquinas e equipamentos, veículos a motor, aeronaves e produtos químicos.

Mas, no geral, o bloco europeu continua a ter um déficie comercial com o gigante asiático e tendência não deverá inverter-se em breve, segundo o perito em assuntos asiáticos entrevistado pela euronews.

“Não é de esperar um requilíbrio, no sentido em que a China continuará a ser muito dependente dos mercados estrangeiros para as suas grandes exportação. De modo geral, isso é uma má notícia para a União Europeia”, explicou Jonathan Holslag, professor na Universidade Livre de Bruxelas.

Uma política que poderá estar para durar, já que a nova formação para o Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, revelada na quarta-feira, não permite descortinar um herdeiro para Xi.

Os analisttas consideram que o Presidente terá aspirações a um terceiro mandato.