Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O futuro da auronáutica passa por Marrocos

O futuro da auronáutica passa por Marrocos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Japão em busca de mercados emergentes

Nagoya é o centro do Japão para a indústria aeroespacial. Nesta plataforma internacional onde o setor de aviação é desenvolvido e são feitos os contactos globais, a Euronews foi até à “Aeromart Nagoya” para descobrir o papel que os mercados emergentes terão na próxima fase do setor.

250 empresas reuniram-se este ano na Aeromart Nagoya para participar em reuniões B2B (empresa para empresa)intensas, para desenvolver negócios globais que vão além do Japão e perceber as últimas tendências do mercado. Com a crescente procura por aeronaves, os principais atores da indústria aeroespacial estão a mudar para países emergentes, como Malásia, Filipinas e Marrocos. A Kawasaki, fabricante líder de aeronaves e motores, acredita que esses países podem ajudar a diminuir os custos de produção.

“Os países emergentes estão a tornar-se muito importantes para nós, para ganharmos a concorrência de preços com produção de baixo custo. Ainda nos falta informação, principalmente quando se trata do norte de África. Gostava de ter mais informações no futuro,” afirmou o Gerente de Produção Externa da Kawasaki, Yukito Ikeda

A aposta internacional em Marrocos

Como indústria em ascensão, Marrocos promoveu o seu setor de aviação em Nagoya. Em menos de 20 anos, o reino tornou-se no centro aeroespacial do norte de África, um destino de eleição para os fabricantes europeus que querem estar na frente do mercado competitivo de hoje.
A empresa francesa Daher está em Marrocos desde 2001 e prepara-se para abrir a terceira unidade.

“Temos um novo investimento que foi criado em Tânger em 2016 e será inaugurado no início de 2018 para apoiar os fabricantes e produzir mais peças,” revelou o vice-presidente de vendas da DAHER, Jean-Claude MAZZOCCO

Em 2016, a Boeing assinou um acordo com Marrocos com um impacto económico anual estimado em mil milhões de dólares e concebeu um ecossistema aeronáutico, em conjunto com fornecedores locais, que criará 8700 novos empregos.

Construir o futuro com a cabeça do ar

Euronews: “O setor de aviação em Marrocos está a abrir as asas, com um crescimento anual da receita em 17%
Mas por que razão a aviação marroquina é um setor tão atraente?
Para conseguir respostas, fomos até Casablanca.”

Em 6ª posição nas 10 principais cidades aeroespaciais em termos de custo-produção, (Relatório da FDI de 2016)
Casablanca acolhe muitas marcas internacionais: Safran, Thales ou Hexcel Composite.

E: “Visitámos a Bombardier no Midparc da Zona Franca de Casablanca, uma unidade de montagem de aeronaves a operar desde há quatro anos e com planos de expansão em Marrocos.”

“Agora fazemos parte daquilo a que, em Marrocos, se chama de “ecossistema”. As empresas que estão a chegar fazem cada vez mais coisas e mais diversificadas. Acho que isso é um bom sinal para o futuro. Os mercados emergentes são uma fonte de produção bem-formada e de alta qualidade, que se pode atrair e que nos dá a competitividade que precisamos e que os nossos clientes exigem. Eles exigem custos cada vez mais baixos para uma qualidade sempre mais alta. A aviação é isto, e é algo não imagino possível fazer sem alguns mercados emergentes,” considera o vice-presidente da Bombardier Marrocos, Stephen Orr.

No instituto de aeronáutica IMA (Institut des Métiers de l’Aéronautique), toda a equipa e estudantes são treinados para uma carreira no setor aeroespacial. Este ano, cerca de 1400 marroquinos vão juntar-se a uma das 130 empresas dos quatro ecossistemas aeronáuticos: Montagem, Sistemas de Interligação de Fiação Elétrica (EWIS), Manutenção, Reparação e Revisão (MRO) e Engenharia.

GIMAS (o agrupamento da indústria aeroespacial marroquina – Groupement des Industries Marocaines Aéronautiques et Spatiales) lançou um cluster de inovação, para integrar mais a impressão 3D na indústria.

“Hoje, o setor emprega mais de onze mil pessoas em vários níveis. Os desafios para os próximos anos são a instalação de ecossistemas de engenharia, investigação e desenvolvimento e inovação, muito fortes,” salienta o Presidente do GIMAS, Karim Cheikh.

A edição de 2017 da Aerosoace Meetings Casablanca em tornar o setor da aviação uma prioridade no Plano de Desenvolvimento Industrial e desenvolver novos ecossistemas que duplicarão o número de empregados num país onde a taxa de desemprego atingiu 9,3% no segundo trimestre de 2017).

“Nós lançámos dois novos ecossistemas. Primeiro, um ecossistema do motor. O segundo é um ecossistema que gira em torno de materiais compósitos.
Até 2030, haverá uma procura de 40 mil aeronaves. Isso é completamente inédito. Portanto, a necessidade de fornecer os dispositivos aos fabricantes está a aumentar. Eles não têm outra escolha senão procurar plataformas com competitividade, qualidade obviamente; mas também engenheiros e recursos humanos de grande competência,” afirmou o ministro da Indústria, Comércio, Investimento e Economia Digital de Marrocos, Moulay Hafid El Alamy.