EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Manifestantes pedem a Camberra que assuma as responsabilidades

Manifestantes pedem a Camberra que assuma as responsabilidades
Direitos de autor 
De  Lurdes Duro Pereira com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Qual o futuro dos requerentes de asilo que se encontram no centro de detenção na Papua Nova Guiné que vai ser encerrado esta terça-feira? É o que perguntam os australianos a Camberra

PUBLICIDADE

A poucas horas de Camberra acatar a ordem a justiça para encerrar o centro de detenção na ilha de Manus, dezenas de pessoas saíram à rua em Sidney para exigir medidas ao Governo australiano. Em causa está o futuro de centenas de requerentes de asilo.

‘‘O que o governo está a fazer, neste momento, é a empurrar as 600 pessoas deste centro de detenção para outros locais na ilha de Manus sem condições de segurança ou qualquer tipo de serviços” refere Ian Rintoul, porta-voz da coligação Ação para os Refugiados.

O ministro da Imigração da Papua Nova Guiné, também, já tinha pedido ao Governo australiano para que assumisse a responsabilidade pelos requerentes de asilo que se encontram presos no centro criado há cinco anos por Camberra. Desde 2012, a Austrália coloca em dois centros de detenção – em Manus e na ilha de Nauru – os requerentes de asilo e migrantes que procuram abrigo no país.

It’s stinking hot 31 degrees tomorrow on #Manus & #Dutton has ordered all water be permanently cut off tomorrow to all refugees.

All water.

— Kon Karapanagiotidis (@Kon__K) 30 de outubro de 2017

Várias Organizações Não Governamentais têm vindo a público denunciar as condições em que vivem e os ataques de que são alvo.

The human rights disaster on Manus is entirely of the AusGov’s making. The AusGov must fix it. #EvacuateNow & #BringThemHere before too late pic.twitter.com/NddZTZymoU

— Tom Clarke (@TomHRLC) 31 de outubro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 2000 dados como mortos após deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné

Número de mortos sobe para 670 depois do deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné

Mais de 100 mortos num deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné