Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Entrevista à Euronews: médico em Lampedusa lamenta "campos de concentração"

Entrevista à Euronews: médico em Lampedusa lamenta "campos de concentração"
Tamanho do texto Aa Aa

A existência de casos de escravidão entre os migrantes e refugiados dos campos de detenção na Líbia provocou a condenação da parte das Nações Unidas.

O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (OHCHR, sigla em inglês), definiu a situação como “intolerável” e recomendou o envio de membros de Organizações Não Governamentais para o terreno, de forma a impedir o tráfico de Seres Humanos. Uma posição apoiada por Executivos do sul da Europa, como foi o caso do Governo italiano.

No entanto, em entrevista exclusiva à Euronews, Pietro Bartolo, diretor dos serviços médicos do campo de migrantes da ilha italiana de Lampedusa diz que, a serem tomadas, tais decisões chegam tarde e que a Europa tem tomado as decisões erradas:

“Penso que fizemos pior do que fez a Europa com a Turquia. Porque na Turquia, criaram campos de refugiados. Na Líbia, depois do acordo, criaram-se campos de concentração”, disse Bartolo.

Tortura, racismo e abusos

“Os migrantes são torturados e as mulheres são violadas. Lidamos com casos de pessoas cuja pele foi arrancada. Passaram fome e quando chegam a Lampedusa são pele e osso. Fazem-lhes tudo isto para que não protestem”, continuou.

O diretor dos serviços médicos do campo de migrantes e refugiados de Lampedusa explicou ainda que o facto de que muitos dos migrantes sejam negros piora a situação, já que são vítimas de abusos racistas:

“É preciso entender que na Líbia, estas pessoas, especialmente os negros, não são vistas como humanos. São considerados inferiores. E pode fazer-se o que se quiser com eles. Detetámos todo o tipo de sinais de tortura: com arma de fogo, com recurso a choques elétricos, queimaduras, chicotadas, coisas inaceitáveis. Toda a Europa deveria indignarse”.

Pietro Bartolo disse ainda que os países do sul, como Itália, Grécia ou Malta não podem lidar com o problema sozinhos. A resposta, defendeu, deve ser coordenada a nivel europeu.

Bartolo passou mais de duas décadas como profissional de assistência a migrantes e refugiados oriundos do norte de África. Recentemente, apresentou, na região da cidade francesa de Lyon, o libro “Lágrimas de Sal”.


Com Marco Lemos e António Oliveira e Silva