Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Reino Unido revê crescimento em baixa

Reino Unido revê crescimento em baixa
Tamanho do texto Aa Aa

Com o Brexit pela frente, o Reino Unido reviu, em baixa, as previsões de crescimento para 2017 e anos seguintes. Previa-se, em março, um aumento de 2% do PIB, mas não irá, segundo as novas estimativas, além do 1,5%.

O ministro das Finanças, que entregou, no parlamento britânico, o Orçamento de outono, diz que vai ser preciso um enorme esforço financeiro:

“Já investimos quase 700 milhões de libras na preparação para o Brexit e hoje estou a pôr de lado, para os próximos dois anos, mais 3 mil milhões de libras e estou pronto para disponibilizar mais verbas se e quando for necessário”, explicou Philip Hammond.

Um menor crescimento económico significa menos receitas fiscais para os cofres do Estado, mas o detentor da pasta das Finanças ressalva o facto de que a economia britânica continuará a crescer e promete criar mais empregos do que no passado:

“Estamos a ouvir e compreendemos a frustração das famílias quando os rendimentos reais estão sob pressão. Por isso, neste orçamento, escolhemos uma abordagem equilibrada. Mantendo a responsabilidade fiscal, apesar do aumento exponencial da nossa dívida, e continuando a investir nas capacidades e infraestruturas que apoiarão os empregos do futuro”, adiantou Hammond.

O ministro das Finanças admitiu que nos próximos anos o endividamento do Estado vai aumentar. O défice orçamental, para o ano fiscal de 2021-2022, deverá passar de uma previsão de 0,7 para 1,3 por cento.