Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

OCDE destaca euro na prestação económica global

Euro está a ter um ano muito positivo
Euro está a ter um ano muito positivo -
Direitos de autor
REUTERS/Eric Gaillard
Tamanho do texto Aa Aa

A economia mundial está a surfar uma onda positiva, mas é preciso mais, avisa a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

Não há dúvida de que 2017 está a ser um ano muito melhor para o euro

Catherine Mann Economista-chefe da OCDE

A OCDE mantém a estimativa de crescimento global deste ano nos 3,6 por cento e aumenta a de 2018 para os 3,7 (em junho, ficava-se pelos 3,6).

A economista-chefe da organização, Catherine Mann, no relatório semestral de estimativas da OCDE, reconhece os "sinais positivos", como a recuperação do investimento das empresas, mas diz não serem suficientemente firmes para o efeito positivo se prolongar durante 2019, quando a economia deverá voltar a desacelerar (3,6%).

Economia mundial ganhou força, mas deve enfraquecer em 2019

À euronews, Catherine Mann explicou a sincronia de crescimento, "primeiro, com o ajuste contínuo da política monetária". "Talvez alguns desconheçam a existência de certos estímulos fiscais no sistema e isso é somado ao crescimento. O terceiro elemento é a recuperação do comércio e a respetiva progressão positiva neste momento", acrescenta.

Na zona Euro, a OCDE melhorou em três décimas a estimativa deste ano anunciada em junho, agora nos 2,4 por cento; e em mais duas décimas a do próximo ano, para os 2,1 por cento.

"Não há dúvida de que 2017 está a ser um ano muito melhor para o euro. O que gostávamos é que este bom momento perdurasse por 2018 e 2019", salientou Catherine Mann, referindo-se já ao ano em que a União Europeia se reduz a 27 Estados-membros com o "brexit."

A incerteza do "brexit"

A economia britânica deverá progredir este ano apenas 1,5 por cento e no próximo ano ainda mais lenta: 1,2 por cento.

"Temos a incerteza [do 'brexit'] e os prazos para resolver essa incerteza. O que precisamos é de chegar a uma posição de proximidade económica entre o Reino Unido e a União Europeia, que seja boa ambos", considerou a economista-chefe da OCDE.

No respetivo canto do ringue, numa alegoria ao duelo que está a ser a negociação do "brexit", os bancos britânicos parecem estar preparados para o pior cenário.

Pela primeira vez, desde o início da crise, todos os grandes bancos de crédito do Reino Unido passaram os testes de stresse. O governador do Banco de Inglaterra referiu esta terça-feira que "a Comissão de Política Financeira britânica, informada dos testes do stresse à banca, também considerou que o sistema bancário britânico pode continuar a suportar a economia real mesmo perante um inesperado 'brexit' desgovernado."

Portugal deve evitar política fiscal demasiado expansionista

Quanto a Portugal, a OCDE prevê um crescimento do PIB, este ano, na ordem dos 2,6 por cento e de 2,3 em 2018 e 2019, o que significa crescer acima da média europeia durante três anos e impulsionado pela procura interna e pelas exportações.

O organismo alerta, porém, que uma política fiscal demasiado expansionista ameaçaria a sustentabilidade do Estado. "O crescimento do consumo continuará sólido, suportado pela descida da taxa de desemprego [de 9,1% este ano para 8,2% em 2018 e 7,4% em 2019] e por um mais forte crescimento dos salários", lê-se no relatório, segundo o qual "o investimento será impulsionado pela aceleração do mercado exportador e pelo crescente investimento público".

Prevendo que a política fiscal deverá ser "moderadamente expansionista em 2017 e 2018", a OCDE avisa que "estímulos orçamentais adicionais devem ser evitados dada a necessidade de reduzir a dívida pública", que considera continuar "demasiado alta" e "limitar a capacidade de resposta do Governo na eventualidade de futuros choques externos negativos".

Ainda assim, a organização com sede em Paris diz haver "margem para uma política fiscal mais amiga do crescimento, mediante ajustamentos na composição da despesa e dos impostos".

Apenas 33% das pesoas sentem ter peso nas ações dos respetivos governos

No que se refere ao défice orçamental português, as estimativas da OCDE apontam para um défice de 1,5% do PIB este ano, de 1% em 2018 e de 0,3% em 2019.

O "Economic Outlook" de outono refere ainda o "elevado nível de endividamento" do setor privado em Portugal, "apesar da desalavancagem feita nos últimos quatro anos", advertindo que esta situação "agrava a vulnerabilidade do sistema bancário", que "continua a apresentar baixos níveis de rentabilidade e um elevado nível de crédito malparado".

A este nível, a OCDE nota que "medidas políticas de apoio ao desenvolvimento do mercado da dívida permitiriam reduzir as vulnerabilidades financeiras, apoiar o crescimento a longo prazo e promover a estabilidade fiscal".