Última hora

Airbnb propõe um cartão de crédito num paraíso fiscal

Airbnb propõe um cartão de crédito num paraíso fiscal
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Airbnb sob suspeita de aliciar à evasão fiscal. A plataforma do alojamento turístico propõe um cartão de crédito aos proprietários de apartamentos, através da sociedade americana Payoneer, sediada em Gibraltar, considerado um paraíso fiscal.

O sistema é totalmente opaco para as autoridades tributárias. Os proprietários que optem por receber da Airbnb os rendimentos dos alugueres neste cartão de crédito recarregável, conseguem ocultá-los ao fisco.

A Payoneer tem um acordo com a Airbnb desde 2014. Com apenas três cliques, o proprietário pode requesitar uma Mastercard com as cores da Airbnb, que recebe poucos dias depois, na caixa do correio.

Este tipo de contas associadas a um cartão não são propriamente contas bancárias, pois escapam aos acordos sobre a troca de informações bancárias. São úteis a quem queira esconder dinheiro fora do país de residência.

O resultado são muitos milhares de euros ocultados às autoridades fiscais.

A Payoneer diz ter 4 milhões de clientes em todo o mundo.

Sobre este assunto, a Airbnb respondeu à imprensa francesa que só uma pequena percentagem dos seus anfitriões recebe os rendimentos dos alugueres no cartão da Payoneer.

Um relatório publicado em novembro pela Oxfam defende que a União Europeia deve incluir 35 Estados de fora do espaço comunitário na lista de paraísos fiscais. Entre eles estão a Suíça, Albânia, Bahamas, Bermuda, Bósnia Herzegovina, Ilhas Faroé, Gibraltar, Hong Kong, Sérvia, Singapura e Taiwan. Esta confederação internacional de organizações não governamentais apela ainda a que quatro nações que fazem parte do bloco económico europeu sejam incluídos na lista por não respeitarem as regras estipuladas por Bruxelas: Irlanda, Luxemburgo, Holanda e Malta.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.