Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Senado americano aprova reforma controversa de Donald Trump

Mitch McConnel, líder da maioria republicana no Senado americano
Mitch McConnel, líder da maioria republicana no Senado americano -
Direitos de autor
REUTERS/James Lawler Duggan
Tamanho do texto Aa Aa

O Senado do Estados Unidos da América aprovou a reforma fiscal desejada pelo Presidente Donald Trump. A proposta visa, por exemplo, reduzir de 35 para 20 por cento os impostos das empresas e acabar com a taxa na transferência de heranças.

O projeto-lei tinha quase 500 páginas e algumas chegaram ao Senado ainda manuscritas, o que levantou muitas críticas pela forma apressada como o partido Republicano pareceu querer garantir esta primeira vitória interna da Administração Trump ainda antes do fim de 2017.

A proposta recebeu o aval de 51 senadores, todos republicanos, e teve 49 votos contra. Um dos opositores à reforma fiscal de Trump foi, curiosamente, um republicano, o senador Bob Corker.

Republicanos garantem que a reforma "vai fazer a América competitiva outra vez"

Pré-candidato presidencial pelos democratas nas eleições do ano passado, o senador do Vermont, Bernie Sanders, acusou os republicanos de "proporcionaram um corte nos impostos para as pessoas mais ricas e para o grande corporativismo [americano], ao mesmo tempo que agravam o défice em 1,4 biliões de dólares (1,2 biliões de euros)."

"A segunda parte do plano republicano -- provavelmente daqui a alguns meses -- será o corte massivo na Segurança Social, no seguro de saúde público e na assistência médica aos mais desfavorecidos para poderem pagar esta redução de impostos para os ricos", alertou ainda Bernie Sanders.

"As famílias trabalhadoras já estão nas lonas e este golpe republicano é outro murro no estômago"

Os líderes republicanos no Senado terão agora de conciliar o texto aprovado esta sexta-feira à noite com a versão ratificada antes pelos colegas da câmara baixa antes de Tump poder promulgar o controverso documento. O presidente espera poder assinar o documento antes do Natal, revelou numa publicação no Twitter.

"Estaos a um passo de um massivo corte de impostos para as famílias trabalhadoras da América", partilhouTrump