Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Extrema-direita alemã opta pela linha dura

Extrema-direita alemã opta pela linha dura
Tamanho do texto Aa Aa

A extrema-direita alemã escolheu, sábado, os novos líderes da AfD (Alternativ für Deutschland /Alternativa para a Alemanha). Jörg Meuthen foi reeleito para a liderança que vai partilhar com Alexander Gauland, chefe do grupo parlamentar.

Conhecido por declarações controversas sobre o Islão e a recusa do "arrependimento" alemão pelos crimes nazis, Gauland apresentou-se no último momento, quando os outros candidatos abandonaram a corrida.

A eleição da dupla confirma o poder da ala mais à direita dentro do partido, mas nem Jörg Meuthen, com 72% dos votos, nem Gauland, em 68%, reconciliaram plenamente os radicais e os conservadores moderados.

Tal como prometido por Gauland, o objetivo da AfD, agora, é fazer frente a Angela Merkel. A chanceler alemã, depois de doze anos à frente do país, na sequência do fracasso das negociações entre conservadores, liberais e ecologistas, está desesperada por construir uma maioria governamental numa paisagem política desintegrada.

A meio do dia, mais de 6.000 manifestantes percorreram o centro de Hannover para defender a política de imigração de Merkel, que resultou na chegada de mais de um milhão de requerentes de asilo desde 2015.

De manhã, várias centenas de pessoas tentaram bloquear o acesso ao congresso da AfD. A polícia mobilizou milhares de agentes e usou canhões de água para libertar os acessos. Vários polícias e manifestantes ficaram feridos na sequência de confrontos.