Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Crise dos rohingya: Muitos são os que temem voltar para casa depois do acordo.

Crise dos rohingya: Muitos são os que temem voltar para casa depois do acordo.
Tamanho do texto Aa Aa

Os crimes contra os rohingya continuam a chocar a Comunidade Internacional. Na região de Cox Bazar, Bangladesh, a maioria dos refugiados teme voltar para casa, no estado birmanês de Rakhine.

Muitos são os que contam histórias difíceis de esquecer:

“Na minha aldeia,” conta uma mulher refugiada, entrevistada pela agência Reuters, “depois de os homens terem fugido, eles juntaram todas as mulheres e violaram algumas”.

“Depois, queimaram as nossas casas e não deixaram nada de pé. Roubaram tudo o que havia na nossa terra”, conclui.

Uma segunda testemunha conta como perdeu o filho, queimado vivo:

“Arracaram-me o meu filho dos meus braços e atiraram-no para o fogo, que ardia com muita violência. Quando começámos a gritar, arrastaram-nos plo chão. O meu marido tentou consolar-me. Conseguimos escapar e não voltamos a vê-lo.”

Os relatos dos refugiados nos campos de Cox Bazar e a posição da ONU coincidem com o que defende a ONG Save The Children, que teme mais violência contra aqueles que tentem voltar para casa.