Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Irlandeses querem enterrar o passado

Irlandeses querem enterrar o passado
Tamanho do texto Aa Aa

É agricultor e para John Sheridan a República da Irlanda e a Irlanda do Norte estão a escassos metros de distância. Todos os dias atravessa a fronteira invisível e é assim que para este irlandês tudo se deve manter.

Com o Brexit, a Irlanda vai tornar-se o único país da União Europeia com o qual o Reino Unido partilha uma fronteira terrestre. Nada que assuste os irlandeses que ao longo dos anos se habituaram a levantar barreiras.

"Talvez o facto de haver um portão algo que permita abrir e impedir a passagem ajude as pessoas a perceber. Podemos colocar barreiras em todo o lado. A boa notícia é que os portões se podem abrir" sustenta Sheridan.

Para os que vivem na fronteira, o Brexit trouxe à memória momentos do passado. A notícia de um acordo de princípio alcançado entre Bruxelas e Londres foi, por isso, recebida com alívio.

"O acordo de Sexta-feira Santa está salvaguardado. Além disso, todas as pessoas que nasceram na Irlanda do Norte vão continuar a ter cidadania irlandesa e europeia. Não menos importante, as pessoas vão poder continuar a deslocar-se, livremente, entre a Grã-Bretanha e a Irlanda" afirma o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar.

Assinado em 1998, o acordo de Sexta-feira Santa pôs fim a 30 anos de confrontos entre nacionalistas e unionistas.

Aos 80 anos, Mona Flood ainda se lembra do que significava passar para a Irlanda do Norte.

"Na altura, não era suposto os homens revistarem as mulheres, muito menos se tivessem um carrinho de bebé. Mas eles revistavam na mesma e se tivéssemos álcool ficavam com ele" refere esta habitante de Pettigo.

Memórias que pertencem ao passado e que os irlandeses querem que assim se mantenha.