Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Migrantes e refugiados recebem apoio na ilha de Lesbos

Migrantes e refugiados recebem apoio na ilha de Lesbos
Tamanho do texto Aa Aa

Para milhares de refugiados, a ilha grega de Lesbos converteu-se num porto seguro. No terreno, nem tudo são espinhos porque organizações não-governamentais (ONG's) como a "Attica Human Support" tentam tornar suportável o fardo que muitos carregam com dificuldade.

De segunda a sexta-feira, os refugiados no campo de Moria enviam mensagens com pedidos de apoio e são prontamente atendidos.

Aris Vlahopoulos criou esta ONG em dezembro de 2015.

"Estava na praia, a ler um livro. Apareceu um barco com refugiados, mesmo ao meu lado. Tinha três escolhas possíveis. Levantar-me e desaparecer, tirar fotografias ou ajudá-los. Escolhi ajudar e esta decisão mudou a minha vida para sempre", sublinha o líder da "Attica Human Support."

Os refugiados no campo Moria têm um número de telefone para o qual podem ligar ou enviar mensagens com pedidos de tudo, menos comida.

Aziz Αbdelwakiz é um migrante, mas também voluntário. Não tem mãos medir para as solicitações: "Uma mulher grávida pediu um cobertor. Foi muito importante para ela porque vive numa tenda. Neste momento faz muito frio. Por isso, precisava de um cobertor e de um casaco."

Aos recém-chegados, Aris Vlahopoulos faz questão de ensinar a usar o indispensável telefone.

Com a chegada do inverno preparam-se pedidos de roupa, sapatos e cobertores.

"Lavar roupa é difícil. Os refugiados também têm de lidar com o frio intenso em contentores. Precisam de ajuda. Agora que o campo de Moria está superlotado também distribuimos tendas para aqueles que precisam", acrescenta o responsável pela "Attica Human Support."

Apostolos Staikos, euronews - Todas as tardes, às 15:00h, o encontro entre dezenas de migrantes e refugiados com Aris Vlahopoulos e a respetiva equipa está marcado. Muitos refugiados chamam-lhe "Pai Natal" mas na bagagem traz outro tipo de presentes. Bens essenciais para a sobrevivência.