Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cecilia Bartoli e Sol Gabetta: uma voz, um violoncelo e um dueto brilhante

Cecilia Bartoli e Sol Gabetta: uma voz, um violoncelo e um dueto brilhante
Tamanho do texto Aa Aa

A magia ganha som quando uma extraordinária meio-soprano e uma virtuosa do violoncelo se juntam. Cecilia Bartoli e Sol Gabetta interpretam o programa “Dolce Duello” – tesouros barrocos esquecidos que desenterraram para deleite, não só de melómanos, mas de todos os que tenham oportunidade de as ouvir.

São duas das mais ousadas e cativantes artistas do meio musical: a italiana meio-soprano Cecilia Bartoli e a argentina voloncelista Sol Gabetta celebram uma longa amizade com obras-primas barrocas. Acompanhadas pelo conjunto de instrumentos de época, Capella Gabetta, dirigido por Andrés Gabetta, o também talentoso violinista e irmão de Sol.

Cecilia Bartoli conta à euronews como o concerto ganhou forma: “Queríamos fazer um projeto juntas desde há anos e finalmente encontrámos a ideia, encontrámos a música escrita para a voz, o violoncelo e a orquestra.”

Sol Gabetta deixa-nos saber mais sobre a dificuldade de igualar a proporção de voz e instrumento no que fosse um verdadeiro diálogo: “Naquela época o violoncelo não era visto como um instrumento a solo, era mais visto como um instrumento de baixo contínuo. Frequentemente, o violoncelo fazia mais a estrutura harmónica para apoiar um cantor, por exemplo. Nestas árias é verdade que há bastante mais diálogo e é a orquestra que o apoia. É isso que é assaz interessante nestas composições para aquela época.”

Inspirado pelos célebres duelos musicais do século XVIII, o programa chama-se Dolce Duello e é muito mais um amigável desafio de virtuosismo e de musicalidade do que um enfrentamento.
Juntamente com um musicólogo, as artistas desenterraram pérolas esquecidas, entre as quais está a ária de Antonio Caldara Fortuna e Speranza, a que Bartoli chama “muito profunda e melancólica”. Gabetta realça que “o programa assenta sobretudo na beleza da melancolia, mas também da alegria do repertório”.

A empatia entre ambas sente-se na música, mas o método com que trabalham é-nos revelado por Cecilia Bartoli: “Ouvimo-nos bastante. De cada vez (que tocamos) tenho a sensação de que (Sol) diz a frase dela e de que eu tenho de continuar o discurso. Então, eu digo a minha frase e ela retoma-a e por aí fora…”

Se o som do violoncelo é considerado bastas vezes como o mais próximo da voz humana, Bartoli frisa que há vozes mais agradáveis do que outras: “Creio que isso depende de quem toca o violoncelo…”. Imediatamente e com a mesma continuidade e fusão que apresentam em palco, Gabetta acrescenta: “E isso depende de quem canta. Isso, de certeza.”

Bartoli retoma a palavra e partilha a emoção de que a enche este dueto:
“Quando falamos da voz do violoncelo, é a voz de Sol, é a voz da alma dela. A forma como toca o violoncelo, temos a sensação de que canta, mas de um modo sublime. Ah, sim!, é profundamente tocante. Quando fazemos música ao vivo juntas, é sempre uma emoção incrível.”

Parece mesmo que a emoção inerente ao mais íntimo de cada uma é uma necessidade, segundo Sol Gabetta: “Fui muito inspirada pela voz da Cecilia, mas não é apenas cantar bem. Não é apenas ter uma bonita voz, ter a técnica. É um conjunto complexo, um universo. Na verdade, uma personalidade.”

A dúvida não existe: o adjetivo para estas duas personalidades é, com advérbio que reforça, extremamente musical.