EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Um "Deus te abençoe" de Israel para a Guatemala

reuters
reuters
Direitos de autor 
De  Ana Serapicos
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foi assim que Benjamin Netanyahu regiu à decisão de Jimmy Morales de mudar a embaixada do país para Jerusalém

PUBLICIDADE

Tudo começou com Donald Trump e já chegou à América Central.

O presidente da Guatemala, Jimmy Morales, não andou com meias medidas e vai mesmo mudar a embaixada do país para Jerusalém.

Quem aplaudiu a decisão foi o primieiro ministro de Israel:

*"Deus te abençoe, meu amigo, presidente Jimmy Morales. [...] Eu disse-vos que haveria outros países que reconheceriam Jerusalém como capital...países que iam anunciar a transferência das embaixadas para lá. *Bem, aqui está o segundo país. E volto a dizer: Haverá mais, isto é apenas o começo.", disse Benjamin Netanyahu.

O anúncio que foi feito esta segunda-feira pelo presidente da guatemala, vem levantar mais água à fervura, mas a mudança da embaixada não muda o lado da razão, pelo menos para o secretário geral da iniciativa Nacional Palestiniana:

"Ele está a participar na violação de um direito internacional que proíbe a anexação de territórios ocupados. Essa decisão não altera o facto de a grande maioria dos países do mundo estar contra o movimento das embaixadas, de serem contra a anexação de Jerusalém Oriental, e de serem contra a decisão do presidente Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. A maioria do mundo está do nosso lado e a decisão de um país como a Guatemala não vai mudar isso", disse Mustafa Barghouti.

A Guatemala passa assim a estar nos cartazes de protesto, ao lado do primeiro-ministro israelita e de Donald Trump.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Enterro de Ríos Montt, o carrasco da Guatemala

Ministro israelita das Comunicações ordena a devolução do equipamento de vídeo apreendido à AP

Netanyahu critica mandado de captura do TPI como "o novo antissemitismo"