Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Enterro de Ríos Montt, o carrasco da Guatemala

Enterro de Ríos Montt, o carrasco da Guatemala
Tamanho do texto Aa Aa

Entre a revolta das vítimas e o júbilo dos companheiros de armas, teve lugar o funeral do antigo general do exército da Guatemala, José Efraín Ríos Montt, que governou de facto o país centro-americano com mão de ferro, depois de um golpe de Estado, no início dos 80.

Ríos Montt tinha 91 anos e morreu em casa, vítima de um enfarte. Os críticos não esquecem que é responsável por um dos mais violentos episódios de genocídio da História da Guatemala.

A cerimónia contou com a presença do irmão, o bispo católico Mario Ríos Montt e do seu médico particular e antigo ministro da Saúde, Mario Bolaños (2000-2004).

Reuters
O antigo general Ríos Montt governou a Guatemala com mão de ferro entre 1982 e 1983. Foi condenado a 80 anos de prisão pela morte de milhares de indígenas, mas o Tribunal Constitucional anulou a pena, alegando irregularidades no processo.Reuters

Em declarações aos media, a filha do antigo general, Zury Ríos, referiu-se a Ríos Montt como "o general dos generais" e disse que ainda que, "embora tivesse incomodado alguns com a sua moralidade, sempre predicou o exemplo".

Durante o enterro, membros da organização Hijos (Filhos), formada por sobreviventes do conflito militar que assolou a Guatemala entre 1960 e 1996, manifestaram-se na Praça da Constituição, no centro da Cidade da Guatemala.

Durante a manifestação, foi pintada uma frase sobre o genocídio pelo qual foi condenado Ríos Montt: "Os povos nem esquecem nem perdoam."

O general Ríos Montt governou a Guatemala entre 1982 e 1983, pondo em prática uma política de terra queimada e de repressão das populações indígenas. Ficou também conhecido pela política conhecida como "Fusiles y Frijoles" (Feijões e Fusis), por mandar entregar feijões e armas às populações, para combater grupos rebeldes.

Os grupos paramilitares criados durante a época de Ríos Montt foram acusados de arrasar mais de 400 aldeias guatemaltecas e de massacrar populações, na altura consideradas "inimigas do Estado".

Uma pena anulada

Os detalhes do que veio a ser considerado como um genocídio foram dados a conhecer por sobreviventes, durante um processo, em 2013. Apesar da condenação, o antigo general nunca chegou a cumprir pena, já que os crimes de que fora acusado tinham prescristo.

Um dos casos mais conhecidos relaciona-se com a morte de mais de mil indígenas maya ixil, processo que o levou, mais uma vez, aos tribunais, depois de, em 2015, a defesa ter informado que Ríos Montt sofria de demência.

Reuters
Zury Ríos, filha do antigo ditador, disse, durante o funeral, que ainda que muitos estivessem "incomodados com a moral" do pai, Ríos Montt era um homem que "predicada o exemplo.Reuters

O massacre fez com que a Justiça da Guatemala condenasse Ríos Montt a 80 anos de prisão por genocídio e crimes contra a Humanidade.

No entanto, a Corte de la Constitucionalidad (Tribunal Constitucional) anulou a sentença, por considerar que foram cometidos erros durante todo o processo, ordenando um novo julgamento.

Alfonso Portillo, presidente da Guatemala entre 2000 e 2004, lamentou a morte do antigo ditador e agradeceu o apoio que "sempre recebeu do general."

Em 2013, Portillo foi extraditado para os Estados Unidos, onde cumpriu uma pena por branqueamento de capitais, regressando depois à Guatemala.