EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Quatro pessoas em estado crítico retiradas de Ghouta Oriental

Quatro pessoas em estado crítico retiradas de Ghouta Oriental
Direitos de autor 
De  Euronews com Reuters/AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Comité Internacional da Cruz Vermelha anuncia início de uma operação de resgate humanitário, negociada entre os rebeldes e o governo sírio. No total, 29 pessoas com necessidade de assistência médica urgente vão ser levadas para hospitais em Damasco

PUBLICIDADE

As ambulâncias do Crescente Vermelho Sírio e a equipa do Comité Internacional da Cruz Vermelha retiraram as primeiras quatro pessoas com necessidade de assistência médica urgente de Ghouta Oriental para hospitais em Damasco.

Ghouta Oriental é um bastião rebelde junto à capital síria e a operação humanitária negociada com o governo de Bashar al-Assad prevê o resgate de 29 pessoas.

As Nações Unidas (ONU) tinham lançado um apelo para a retirada de 500 pacientes, incluindo várias crianças com cancro.

Pelas contas da ONU durante as negociações, que demoraram meses, pelo menos 16 pessoas morreram. A estimativa foi avançada aos jornalistas quinta-feira, em Genebra, pelo chefe do grupo de trabalho humanitário da ONU para a Síria, Jan Egeland. Entre os 16 mortos estava um bebé de nove meses por desnutrição.

Segundo o Comité Internacional da Cruz Vermelha em Ghouta Oriental há cerca de 400 mil pessoas cercadas pelas tropas sírias desde 2013.

O último bastião da rebelião, Ghouta é uma das quatro "zonas de distensão", definidas em maio pela Rússia e Irão, aliados do regime, e a Turquia, apoiante dos rebeldes.

O objetivo era tentar alcançar uma trégua duradoura na Síria, devastada por uma guerra destruidora desde 2011, que matou mais de 340.000 pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Observatório Sírio dos Direitos Humanos anuncia resgate de 12 feridos graves em Ghouta Oriental

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado