EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Com má experiência nas presidenciais, Macron ataca as "fake news"

Com má experiência nas presidenciais, Macron ataca as "fake news"
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente francês anunciou uma lei para impedir a propagação de notícias falsas na Internet.

PUBLICIDADE

**
**

O presidente francês, Emmanuel Macron, quer desenvolver legislação no sentido de combater as notícias falsas e os rumores que circulam na Internet, especialmente durante o período eleitoral.

Macron anunciou assim uma lei contra as chamadas fake news, numa iniciativa descrita pelos *media *franceses como fruto da sua experiência com a imprensa russa.

Recentemente, o presidente criticou dois meios de comunicação russos multilingues por "responsabilidade na propagação de rumores" e de notícias falsas. Ambos órgãos portaram-se, de acordo com Macron, como "elementos de influencia" e de "propaganda", durante as últimas presidenciais francesas.

Responsabilizar plataformas de conteúdos

Espera-se que a lei obrigue as plataformas digitais responsáveis pela distribuição de conteúdo considerado informativo a atuar de forma mais transparente. O chefe de Estado francês explicou que os detalhes sobre a lei deverão ser dados a conhecer nas próximas semanas.

Ainda que não tenham sido referidos meios de comunicação em particular, poucos duvidaram que o presidente francês se referia a *media *russos, como o canal de informação  multilingue RT (antigamente conhecido como Russia Today) e a agência noticiosa multimedia Sputnik

Ambas plataformas são completamente controladas pelo Kremlin.

Além disso, a agência Federal responsável pela coordenação dos meios de comunicação Estatais, criou recentemente um canal em língua francesa, a RT France. O canal é visto pelos críticos de Moscovo como um porta-voz do Kremlin na cena internacional.

Emmanuel Macron criticou, durante o anúncio do projeto de lei aos jornalistas, alguns meios de comunicação internacionais "com os seus milhares de contas nas redes sociais" e que, em pouco tempo "conseguem propagar em todo o mundo, em várias línguas, rumores inventados para conspurcar a imagem de um responsável político, uma personalidade, uma figura pública ou um jornalista."

Por isso, o presidente quer que as plataformas digitais responsáveis pela divulgação dos chamados "conteúdos patrocinados" sejam obrigadas a revelar a identidade de quem financia os conteúdos em causa.

Desta forma, no caso de ser publicada uma notícia falsa, será possível levar o caso aos tribunais, permitindo apagar o conteúdo e responsabilizar o site e mesmo bloquear o acesso do mesmo às redes.

RT e Sputnik na mira do Ocidente

Para além da recente versão em francês, a RT emite em inglês, árabe, espanhol e tem ainda um canal de documentários, que emite em inglês e russo. O canal foi fundado em 2005, sendo, na altura, conhecido como Russia Today.

Washington considera a RT como nada mais do que um órgão de propaganda do Kremlin. Uma opinião partilhada por muitos na União Europeia, como é o caso do presidente francês.

Durante as presidenciais, espalhou-se um rumor acerca de uma alegada conta secreta do então candidato Macron no arquipélago das Bahamas, rumor mencionado pela rival de extrema-direita, Marine Le Pen, durante o debate transmitido pelas televisões.

Emmanuel Macron apresentou depois queixa por "difamação" e "divulgação de notícia falsa". O pessoal de campanha do presidente disse, na altura, que o rumor tinha sido propagado por várias contas da rede social Twitter próximas da RT e da agência Sputnik.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron confiante no fortalecimento do eixo franco-alemão

Londres investiga fenómeno das notícias falsas

Facebook anuncia ofensiva contra notícias falsas em alemão