Quotas migratórias não convencem República Checa nem Eslováquia

Quotas migratórias não convencem República Checa nem Eslováquia
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro da República Checa está em Bratislava e há acordo, entre os dois países sobre as quotas migratórias.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro da República checa está em Bratislava na primeira deslocação oficial ao estrangeiro desde que assumiu a chefia do governo e quando se celebram os 50 anos sobre a Primavera de Praga e o 100º aniversário desde a fundação da antiga Checoslováquia. Estas questões foram abordadas entre os dois governantes mas a das quotas de migração também não ficou de fora:

"Quotas obrigatórias não fazem sentido, dividem a Europa e não são um passo na boa direção. Nós concordamos sobre isso", afirmou Babis.

Andrej Babis e seu homólogo eslovaco, Robert Fico, concordaram ainda no facto de que a divisão pacífica da antiga Checoslováquia poder ser um exemplo para outras nações, como Espanha no que diz respeito à questão independentista da Catalunha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas enfrenta consolidação de euroceticismo checo

Primeiro-ministro checo: "Não houve roubo nem corrupção"

Presidenciais eslovacas: vitória de Pellegrini reforça governo eurocético de Robert Fico