EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Macron quer balança comercial equilibrada com China

Macron quer balança comercial equilibrada com China
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Emmanuel Macron declarou querer equilibrar a balança comercial entre França e China, abrindo a França ao investimento chinês e apelando à abertura para as empresas francesas do gigantesco mercado asiático.

PUBLICIDADE

Ao segundo dos 3 dias de visita oficial à China, Emmanuel Macron fala de números, porque são eles que pesam na balança comercial. Uma França aberta ao investimento chinês em troca de acesso ao gigantesco mercado de Pequim é a proposta de equilíbrio:

"A França importa 45 mil milhões da China, mas só exporta 15 mil milhões, portanto o acesso aos mercados é díspar, insatisfatório. Se não lidarmos com isto responsavelmente a primeira e natural reação, a que tivemos por tanto tempo, vai ser uma retração de ambos os lados. (...) Vamos ambos abrir uma agenda positiva, onde há maior acesso para as nossas corporações, pequenas e médias empresas, grandes grupos comerciais em alguns sectores onde esta abertura é oferecida na China. E vamos criar mais espaço para investimento em França."

Mais espaço em França e numa União Europeia onde a liderança alemã está mergulhada em política interna e de onde vai sair o Reino Unido, tradicional aliado comercial da China na resistência às directivas anti-dumping que dela emanam.

A liderança francesa na incursão à China de Xi Jinping resultou na assinatura de um protocolo de acordo comercial com o grupo francês New Areva para a construção de uma fábrica de tratamento de resíduos radioativos. As negociações duravam há dez anos, o acordo tem o valor de dez mil milhões de euros. 

Foram ainda assinados outros acordos de volume comercial inferior

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China

Xi Jinping promete a Putin continuar a consolidar "amizade de boa vizinhança"

Relações "sem limites": Putin visita Pequim a convite de Xi