EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Reino Unido impõe fim às micropartículas de plástico nos cosméticos

Reino Unido impõe fim às micropartículas de plástico nos cosméticos
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A ministra britânica do Ambiente espera com esta medida contribuir para a defesa da vida marinha nos oceanos.

PUBLICIDADE

Os perigos do plástico nos oceanos são por demais conhecidos, mas o Reino Unido decidiu tomar medidas contra uma outra ameaça invisível: as micropartículas de plástico, presentes em muitos produtos de beleza e que todos os anos vão dar aos oceanos.

Segundo a lei que entrou esta semana em vigor em solo britânico, as marcas de cosméticos e outros artigos de higiene não mais poderão introduzir estas substâncias no fabrico dos seus produtos, tais como esfoliantes faciais, gel de banho e outros cremes.

As autoridades britânicas esperam assim ajudar a preservar a vida marinha nos oceanos e evitar potenciais riscos para os humanos, cujos reais efeitos ainda precisam de ser averiguados e avaliados pelos cientistas.

"Qualquer plástico que chegue ao ecossistema marinho não é bom, pois sabemos que os peixes poderão consumir estes materiais. As micropartículas de plástico podem ser ingeridas diretamente pelos peixes e, enquanto ainda estudamos o impacto na saúde humana, o facto é que elas não precisam de lá estar. Foi por isso que avançámos com esta proibição", afirmou Theresa Coffey, ministra do ambiente do Reino Unido.

A medida está a ser recebida com agrado pela indústria cosmética, onde muitas marcas já usam alternativas naturais a estas micropartículas.

No entanto, apesar da produção destes cosméticos com micropartículas de plástico ter sido proibida, estes vão continuar à venda nas lojas até julho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stonehenge intacto após ato de vandalismo de ativistas pelo clima

Nigel Farage ultrapassou pela primeira vez partido do primeiro-ministro Rishi Sunak

Afinal, Nigel Farage vai concorrer às eleições no Reino Unido