Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Copernicus: Tivemos um 2017 especialmente quente

Copernicus: Tivemos um 2017 especialmente quente
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

De acordo com os peritos, 2017 é o ano mais quente de que há memória, sem contar com os que foram influenciados plo fenómeno El Niño.

Os dados apontam para um aumento de 2% das emissões de dióxido de carbono em relação ano passado.

Os últimos cinco anos foram 1,1º c um mais quentes do que anos anteriores.

Em 2017, vários furacões fustigaram o Atlântico, das Caraíbas à Irlanda. Mais de mil pessoas morreram também no Bangladesh e no Nepal.

As secas afetaram África e a Costa Ocidental dos Estados Unidos, mas também no Sul da Europa, incluindo a Península Iberica, onde se registaram violentos fogos.

Durante 2017, o continente europeu registou temperaturas médias superiores às dos ultimos anos, especialmente no norte o leste. Foi também no leste da Europa onde dezembro foi mais quente.