Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Parlamento de Atenas aprova mais um pacote de reformas

Parlamento de Atenas aprova mais um pacote de reformas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento grego aprovou um novo pacote de reformas acordado com os credores internacionais, em troca da nova parcela do resgate de cerca de 6,5 mil milhões de euros.

A lei foi aprovada com os votos a favor da coligação governamental, enquanto os partidos da oposição votaram contra.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, centrou a intervenção na necessidade de se olhar para o período de pós-resgate.

Entre as medidas que geraram mais oposição inclui-se o endurecimento das condições para as greves a nível local, a criação de um sistema eletrónico para as execuções hipotecárias, e a reforma nos subsídios familiares.

O ministro grego das Finanças, Euclid Tsakalotos, durante o discurso do primeiro-ministro. REUTERS/Alkis Konstantinidis

Novas exigências na convocação de greves locais

Com a aprovação das novas leis, as assembleias que antecedam a convocação de uma greve deverão garantir nas representações sindicais locais uma participação mínima de 50% dos filiados.

A oposição também criticou o sistema eletrónico para execução de hipotecas, uma medida que, na sua opinião, não protege suficientemente a primeira casa.

Mais ajudas económicas por filho

Outro dos pilares deste pacote de reformas é o aumento das ajudas económicas por filho.

Até agora, os subsídios só eram concedidos a famílias com mais de três filhos, independentemente do rendimento.

Durante o debate no parlamento, milhares de pessoas protestaram junto ao parlamento, numa ação convocada pelos sindicatos em que se registaram alguns confrontos isolados entre manifestantes e a polícia.

Houve também movimentos grevistas para contestar o pacote de reformas acordadas entre o Governo de coligação liderado pelo partido de esquerda, Syriza, do primeiro-ministro, Alexis Tsipras, com os credores.