Os nossos antepassados deixaram África há cerca de 200 mil anos

Os nossos antepassados deixaram África há cerca de 200 mil anos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O fóssil encontrado em cavernas do Monte Carmelo, em Misliya, está a mudar a forma como se olha para a evolução dos nossos antepassados

PUBLICIDADE

É a prova que de que afinal os nossos antepassados terão começado a migrar para fora de África mais cedo do que se pensava.

Pelo menos é o que defendem os cientistas depois de descoberto um fóssil humano de Homo Sapiens, em Israel, com cerca de 200 mil anos. A descoberta do maxilar superior - com pelo menos oito dentes - está a revolucionar conceitos e teorias.

"Este exemplar, vem de certa forma, revolucionar o modo como olhamos para a evolução humana moderna. Antes da descoberta deste maxilar, tínhamos a ideia que o ser humano moderno evoluiu em África há 200 mil a 250 mil anos e de onde saiu há cerca de 100 mil anos. Agora, sabemos que os humanos modernos deixaram África há cerca de 200 mil anos, sugerindo que a história biológica de nossa própria espécie é longa e recua a cerca de meio milhão de anos" refere Israel Hershkovitz, paleoantropologista da Universidade de Telaviv.

De acordo com a equipa internacional responsável pela descoberta, os nossos antepassados terão, também, encontrado e interagido durante muito tempo com outras espécies de humanos, entretanto, extintas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas israelitas identificam novo antepassado pré-histórico

Altos comandantes militares iranianos anunciam que operação contra Israel "foi concluída"

Vingança, geopolítica e ideologia: porque é que o Irão atacou Israel?