Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Exoneração" é eleita a Palavra angolana do ano em 2017

Palavra do Ano em Angola foi escolhida por 40% dos votantes
Palavra do Ano em Angola foi escolhida por 40% dos votantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O vocábulo "exoneração" é a Palavra do Ano 2017 em Angola, tendo recolhido 40% dos votos dos cibernautas angolanos. O resultado foi divulgado esta terça-feira numa cerimónia realizada no Camões-Centro Cultural Português, em Luanda.

Segundo a Plural Editores, que organiza a iniciativa, participaram cerca de 2.500 cibernautas e, à palavra "exoneração", seguiu-se "mudança", que obteve 21% dos votos, e "divisas", em terceiro lugar, palavra que alcançou 18% das intenções de voto.

A eleição da Palavra do Ano em Angola teve início, em dezembro, dois meses após a tomada de posse do Presidente da República, João Lourenço, que empreendeu, desde então, a mudança de chefias militares, ordenou a exoneração de titulares de cargos públicos em organismos do Estado, na Polícia e na administração de empresas estatais, em áreas que vão dos diamantes, aos petróleos, da comunicação social à banca, abarcando os responsáveis do Banco Nacional de Angola, das televisões e da Sonangol.

"Mudança", a palavra classificada em segundo lugar, a sua escolha é também justificada pela política angolana, onde tem havido várias mudanças desde o ato eleitoral, que levou João Lourenço, de 63 anos, à presidência da República, sucedendo a José Eduardo dos Santos, de 75 anos, no cargo que ocupou durante 40 anos, desde a morte do primeiro Chefe de Estado após a independência, Agostinho Neto (1922-1979).

"Divisas", termo que fecha o pódio, foi escolhido devido à "conjuntura de crise económica, que levou a uma quebra na entrada de divisas no país, o que causou limitações no acesso a moeda estrangeira e dificultou as importações", segundo a Plural Editores.

Da lista de dez palavras colocada à votação, em quarto lugar ficou "eleições", com 07% dos votos, seguindo-se "professor" (04%), e "micha" (03%), um "termo informal muito utilizado para 'facilitar' alguns negócios, quando a 'micha' é oferecida a alguém, em troca de um favor ou benefício".

No sétimo posto das preferências dos angolanos, com 02%, ficaram os vocábulos "candongueiro", "barragem" e "kaluanda", "termo que se tornou comum e é usado para designar algo ou alguém que é originário de Luanda", segundo a mesma fonte.

"Candongueiro" é o nome dado ao meio de transporte mais utilizado em Angola, "o popular veículo de passageiros, geralmente pintado de branco e azul", e a escolha de "barragem" deveu-se à inauguração, em agosto do ano passado, da barragem hidroelétrica de Laúca, na província de Malanje, "considerada a maior obra de engenharia civil de sempre em Angola, tida como a segunda maior barragem de África".

No último lugar, com um por cento, ficou o termo "maka", palavra frequentemente usada em expressões como "não há maka" ou "não tem maka", para "descrever situações de fácil resolução".

"Maka" significa conflito ou discórdia, é uma palavra que tem origem no kimbundu, dialeto falado em várias partes de Angola, nomeadamente no noroeste, que inclui a capital.

Em 2016, quando se realizou a escolha da "Palavra do Ano" pela primeira vez em Angola, a eleita foi "crise", tendo mobilizado 31% dos votos.