Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Estará o governo do Myanmar a usar a fome contra os Rohingya?

Estará o governo do Myanmar a usar a fome contra os Rohingya?
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Numa manhã normal em Kutupalong, num campo de refugiados Rohingya que fica no Bangladesh, as pessoas juntam-se, em filas, enquanto esperam que a comida chegue em carrinhas de caixa-aberta.

"Chegavamos a passar fome durante cinco dias seguidos"

Mohammad Ilyas Refugiado Rohingya

Ao verem as farinhas a ser descaregadas, estes refugiados veem algo que já não viam há muito tempo: comida. 

Neste campo, há histórias de famílias inteiras que fizeram centenas de quilómetros para terem apenas uma garantia: ter o que comer.

Os Rohingya, uma minoria muçulmana que é não aceite no Mymamar, contam aos jornalistas que lhes retiraram tudo para que fossem obrigados a sair do país. Há relatos de aldeias destruídas, roubo de animais, os quais eram, muitas vezes, o único sustento daquelas pessoas.

Mohammad Ilyas, refugiado Rhoingya que vive neste campo no Bangladesh, diz que chegou a não ter o que comer.

"Chegavamos a passar fome durante cinco dias seguidos. Sobreviviamos a comer bananas e abóbora."

Como Mohammad Ilyas, há muitos mais refugiados com a mesma história. 

Uma espécie de "genocídio" (termo usado pelo governo dos EUA) que recorre à fome.

Reuters
Refugiados Rohingya a levar comida para o campoReuters

A Amnistia Internacional deixa uma alerta para estes ataques à fragilidade da população Rohingya, num documento que retrata o problema.

"Queimaram mercados onde os Rohingya tinham os negócios de família. Assistimos a uma tomada dos campos de plantação de arroz, que fazia parte do sustento dos Rhoingya. Roubaram aves e gado.", diz Matthew Wells, o conselheiro de Crise da Amnistia Internacional.

"Além dos assassinatos generalizados, da violência sexual e dos incêndios das aldeias, o que documentamos na Amnistia é realmente toda uma série de esforços que privaram muito da população Rohingya".

Apesar do governo do Myammar negar esta teoria de "limpeza" dos Rohingya através a fome, em poucos meses 700 mil pessoas desta minoria saíram do país em direção ao Bangladesh, à procura apenas de uma coisa: sobreviver.