Última hora

Última hora

Reputação da Oxfam abalada por escândalos sexuais

Em leitura:

Reputação da Oxfam abalada por escândalos sexuais

Reputação da Oxfam abalada por escândalos sexuais
Tamanho do texto Aa Aa

Símbolo de esperança para uns, uma oportunidade de satisfazer as vontades sexuais para outros.

A colaboração da Oxfam com Governo britânico vai ser revista depois de na sexta-feira se ter ficado a saber que alguns responsáveis e colaboradores da organização não-governamental contrataram prostitutas com verbas da instituição para fazer orgias durante a missão no rescaldo do terramoto de 2010 no Haiti.

Os serviços contratados, que podem ter envolvido menores de idade, abalaram a reputação da Oxfam.

"É uma traição para com as pessoas às quais a Oxfam deveria prestar apoio e para com as pessoas que os enviaram para o terreno. É um escândalo", sublinhou Penny Mordaunt, a ministra britânica para o Desenvolvimento Internacional, durante um entrevista no programa "The Andrew Marr Show", da BBC.

O "The Times" teve acesso a um relatório confidencial da organização não-governamental que falava do resultado, preocupante, de uma investigação interna ao caso em 2011. A forma como a Oxfam geriu a crise, agora divulgada, está a ser alvo de críticas.

A instituição não perdeu tempo a demarcar-se das condutas em causa.

"Deveríamos ter feito mais, mas na altura isso não era comum na Oxfam. Não houve cobertura mediática. Dissemos em público que estávamos preocupados com a hipótese de mau uso de fundos públicos. Fizemos uma investigação. O dinheiro não foi mal usado, mas houve má conduta por parte de algumas pessoas. É inaceitável e tomámos medidas", disse o diretor-executivo da Oxfam, Mark Goldring.

Mas este não é caso único. A imprensa britânica denunciou, entretanto, que a Oxfam poderá ter encoberto outro escândalo no Chade. Ao que tudo indica prostitutas jovens eram continuamente convidadas pela equipa local à casa da organização no país e uma pessoa que ocupava um alto cargo foi despedida por razões de comportamento em 2006.