Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Unidade antiterrorista investiga intoxicação de espião duplo russo

Unidade antiterrorista investiga intoxicação de espião duplo russo
Direitos de autor
REUTERS/Toby Melville
Tamanho do texto Aa Aa

A unidade antiterrorista da policia britânica está investigar as causas da intoxicação de um antigo espião duplo russo e da filha em Salisbury, cidade do Reino Unido.

De acordo com a agência Reuters, trata-se de Sergei Skripal, antigo coronel dos serviços secretos militares russos.

O ex-coronel dos serviços de informação russos, foi sentenciado a 13 anos de prisão em 2006 por transmitir informações secretas ao Reino Unido.

Encontra-se hospitalizado em estado crítico. Os dois foram encontrados inconscientes num banco da cidade. O acesso ao local foi proibido.

Citada pela agência AP, a polícia local disse, em comunicado, que ambos estão “num estado crítico” e em terapia “intensiva”, acrescentando que ainda não é possível “determinar se foi cometido um crime”.

Os médicos confirmam que ainda não foi detetada a substância que causou a intoxicação de Skripal, de 66 anos, e da sua companheira.

"Era como se estivessem mortos. As pernas dela estavam muito duras. Sabe, como quando os animais têm rigor Mortis? Quando as pessoas a puxaram as pernas dela ficaram juntas e quando estava no chão os olhos estavam todos brancos, estavam bem abertos mas apenas brancos e espumava da boca. Depois foi o homem que ficou rijo. Os braços dele deixaram de mexer, ficou paralisado a olhar em frente", explica Jamie Paine, testemunha que alertou as autoridades.

Como precaução, uma pizaria do centro da cidade foi encerrada. Apesar de não saberem ou não quererem revelar a substânica que fez adoecer o casal, as autoridades dizem não existir perigo conhecido para o público.

Este incidente faz lembrar o caso Litvinenko, um antigo agente do FSB, opositor a Vladimir Putin, envenenado em 2006 com polonium-210, uma substância radioativa altamente tóxica.