Última hora
This content is not available in your region

Arranca julgamento do alegado assassino do submarino

Arranca julgamento do alegado assassino do submarino
Tamanho do texto Aa Aa

Começou em Copenhaga o julgamento do inventor dinamarquês acusado de ter assassinado e esquartejado uma jornalista a bordo do seu submarino em alto mar em agosto. Através da advogada, Peter Madsen manteve a posição assumida nos interrogatórios. Ou seja, nega ter assassinado a jornalista ou ter tido uma relação sexual sem coito, mas admite a ter esquartejado.

"Ele admite ter abusado do cadáver e admite também ter infringido vais leis sobre navegação marítima. Mas ele nega tudo o resto... O meu cliente nunca disse que ela morreu intoxicada com gases, como alguma média sugeriram. Ele sublinhou não saber como ela morreu, mas que foi um acidente", diz a advogada de Defesa, Bettina Hald Engmark.

A repórter sueca Kim Wall tinha 33 anos. De acordo com a investigação policial, Madsen atou-a e de seguida golpeou, beliscou e cortou-a nos genitais antes de a matar, esquartejar e atirá-la ao mar.

A procuradoria pede prisão perpetua. Acredita que o acusado de 47 anos, premeditou tudo ao levar para o submarino que construiu, o Nautilus UC3, serras, facas, chaves de fendas, tiras e tubos metálicos antes de navegar com a jornalista, a quem tinha concedido uma entrevista a 10 de agosto.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.