Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O ímpeto romântico da violinista sul-coreana Kyung Wha Chung

Sir Antonio Pappano leads Kyung Wha Chung and the Santa Cecilia orchestra
Sir Antonio Pappano leads Kyung Wha Chung and the Santa Cecilia orchestra
Tamanho do texto Aa Aa

A poucos dias de festejar 70 anos, Kyung Wha Chung subiu ao palco, em Roma, para tocar o concerto para violino de Brahms, um monumento do romantismo. A artista sul-coreana fez-se acompanhar pela Orquestra de Santa Cecília, sob a direção de Antonio Pappano.

Para Kyung Wha Chung, é no palco que se exprime o poder da música.

"O palco é o meu espaço. Eu pertenço ao palco. No palco, posso expressar o que me vai na alma, sem palavras: expressar paixão, ira, tristeza. Com o violino toco diretamente o coração e a alma das pessoas. Faz-nos chorar de tristeza e de alegria", contou a violinista sul-coreana.

"Ela dedicou a vida à música e o som que ela produz representa toda a sua experiência: os momentos que passou no palco, em que praticou e em que tocou com outros músicos", sublinhou o maestro Antonio Pappano.

O concerto para violino de Brahms é considerado como o monte Evereste do repertório para violino.

"Depois da cadência, é cantabile é lírico. Há um sentimento de fraqueza e de ânsia, em busca do divino. O último andamento soa a música cigana, zíngara. É muito húngaro. Eu tinha de mostrar esse sabor húngaro", frisou a violinista.

Em 2005 Kyung Wha Chung magoou o indicador da mão esquerda. Graças ao acidente, acabou por aceder a uma nova dimensão da experiência musical.

"Foi uma bênção disfarçada. Comecei a trabalhar a música na minha cabeça. O dedilhar, o arco, o fraseado, as cores. Podia trabalhar o tempo todo. Quando era mais nova, não conseguia trabalhar sem o violino", contou Kyung Wha Chung,

O diretor artístico da orquestra elogiou o percurso da violinista sul-coreana.

"A música requer dedicação, perseverança, trabalho árduo, transpiração. Ela dá tudo o que tem", afirmou Antonio Pappano.

Antonio Pappano e Kyung Wha Chung. Cortesia Warner Classics.