EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Israel admite ataque a um suposto reator nuclear na Síria

Israel admite ataque a um suposto reator nuclear na Síria
Direitos de autor 
De  Ana Serapicos com Lusa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Atentado data de 2007 mas só foi revelado agora pelo exército israelita

PUBLICIDADE

O Exército israelita revelou, onze anos depois, que foi o responsável pelo ataque a um suposto reator nuclear em território inimigo contra Al-Kibar, na Síria, em Setembro de 2007.

As imagens e a autoria do ataque só foram reveladas agora, numa altura em que Israel assume posição contra a presença das forças iranianas na Síria.

Para um especialista em assuntos do Médio Oriente e de África na Universidade de Tel Aviv, esta confissão do governo israelita traz um truque na manga.

Uzi Rabi acredita que Israel, ao perceber "que está a chegar rapidamente à linha limite", está a tentar divulgar o que "deve ser assumido como uma espécie de sinal de aviso ao irão.".

Os rumores de que Israel estava por detrás deste ataque sempre existiram mas agora foi confirmado pelo próprio governo.

O exército Israelita admitiu, em comunicado:

** "Na noite de 5 para 6 de setembro de 2007, aviões da Força Aérea israelita atingiram e destruíram um reator nuclear sírio em desenvolvimento", informou o Exército em comunicado. “O reator estava prestes a ser concluído e a operação eliminou uma ameaça existencial para Israel e toda a região. Um reator nuclear nas mãos de [Bashar al-] Assad teria tido repercussões graves para todo o Médio Oriente.”**

O Presidente da Síria negou sempre a versão de que aquela infraestrutura era nuclear, embora a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) tenha, em 2011, considerado "muito provável" que aquele fosse de facto um reator, o qual poderá ter sido construído com o apoio da Coreia do Norte.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Turquia estende ofensiva na Síria e admite entrar no Iraque

Israelitas em protesto em Jerusalém para exigir eleições e libertação dos reféns

Primeiro-ministro israelita dissolve gabinete de guerra