EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Estudantes e professores contestam reforma do acesso às universidades

Estudantes e professores contestam reforma do acesso às universidades
Direitos de autor REUTERS/Benoit Tessier
Direitos de autor REUTERS/Benoit Tessier
De  Euronews com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jornada marcada por novas manifestações e bloqueios de universidades em vários pontos de França

PUBLICIDADE

Novos protestos e bloqueios em várias universidades, para contestar a reforma das modalidades de acesso ao ensino superior em França.

Centenas de estudantes desfilaram em Paris contra a chamada lei Vidal e, de forma mais alargada, as políticas do governo do presidente Emmanuel Macron.

Mais de 400 professores universitários associaram-se ao movimento de protesto, denunciando a "seleção hipócrita" inscrita na reforma.

David Garibay, professor de Ciência Política na Universidade Lyon 2, diz que "os critérios que vão ser introduzidos para selecionar os estudantes serão baseados nas notas dos dois últimos anos do liceu, na motivação e apreciação dos conselhos de classe, e não no diploma de acesso. Alguns dos meus colegas opunham-se desde o início e os que eram a favor, apercebem-se agora que as margens de manobra são limitadas e que não podem fazer grande coisa".

Os protestos tomaram forma também através de assembleias de debate, reunindo estudantes e professores em várias universidades do país.

A correspondente da euronews, Raphaële Tavernier, diz que "para além da reforma e do movimento estudantil, outro ponto abordado nas Assembleias Gerais são os recentes episódios de violência em universidades francesas, com professores, investigadores e outros intervenientes a mostrarem um apoio incondicional aos estudantes, para denunciar a intervenção das forças da ordem".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado