Atenas: refugiados em risco de irem para a rua

Atenas: refugiados em risco de irem para a rua
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A ARSIS, a organização não-governamental que gere sete pousadas para jovens refugiados desacompanhados, na capital grega, reclama que não recebe qualquer apoio das autoridades desde outubro de 2017.

PUBLICIDADE

Cerca de trinta jovens refugiados correm o risco de ficarem sem um sítio onde morar em Atenas.

A ARSIS, a organização não-governamental que gere sete pousadas para jovens refugiados desacompanhados, na capital grega, reclama que não recebe qualquer apoio das autoridades desde outubro de 2017.

Os funcionários não recebem o ordenado desde janeiro deste ano, e as rendas estão em atraso.

«Não sabemos se o padeiro vai trazer-nos pão ou não. Os nossos funcionários atingiram o limite. Eles não podem pagar as suas rendas, não podem pagar as suas contas. Se o problema não for resolvido, temo que tenhamos de fechar esta residência», assegura a coordenadora de uma das residências, Dimitra Arvanitaki.

A ARSIS aloja 200 rapazes, com idades compreendidas entre os 14 e os 18 anos.

Em causa está um diferendo entre a organização e o Ministério grego da Economia. À euronews, uma fonte do Governo referiu que algumas ONGs apresentaram irregularidades nas contas de 2017. A ARSIS assegura que cumpriu todos os requisitos.

A relações públicas da ARSIS, Zoe Kokalou, conta que «as autoridades devem o reembolso de 2017 e gostaríamos de saber por que é que isso acontece. Para 2018, não tivemos nenhuma verba. Então, devem-nos três meses e abril é o 4º mês. Os meus colegas não desistiram e as crianças mostraram uma paciência incrível»

«Cerca de 60.000 refugiados continuam na Grécia. A União Europeia e o Governo grego estão a financiar várias ações para melhorar as suas condições de vida. No entanto, a burocracia e a falta de cooperação entre as autoridades podem levar ao encerramento de abrigos como este», relata o jornalista da euronews, Apostolos Staikos.

Partilhe esta notíciaComentários