A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Nikol Pashinyan quer eleições livres na Arménia

Nikol Pashinyan quer eleições livres na Arménia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nikol Pashinyan tem sido apontado como a solução para o impasse político que se vive na Arménia desde a demissão de Serzh Sargsyan. O líder do Partido Contrato Civil é o favorito a assumir o cargo de primeiro-ministro mas ainda precisa de convencer o Partido Republicano, que tem maioria parlamentar. A euronews quis saber o que pensa a voz da oposição na Arménia.

Apostolos Staikos, euronews: "Tudo indica que sairá vencedor desta batalha política. Como se sente?"

Nikol Pashinyan, Partido Contrato Civil: "Sabe, penso que o vencedor é o povo, as pessoas da Arménia que apoiam as nossas ideias. Precisamos de mudanças, precisamos de um novo governo na Arménia.

Que irá fazer para garantir o apoio do Partido Republicano?

Essa questão faz parte da agenda do Partido Republicano. Penso que eles é que têm de avaliar a situação, avaliar a situação política do país e tendo em conta a análise que fizerem, chegar a uma boa conclusão.

Se for eleito primeiro-ministro pela Assembleia Nacional, qual será a sua primeira medida. Quais as suas prioridades?

A minha prioridade passa por preparar eleições livres, legítimas e verdadeiramente democráticas, o quanto antes na Arménia.

Quando?

Penso que o devíamos fazer o mais rapidamente possível, mas também percebemos que precisamos de chegar a um consenso com os outros partidos políticos relativamente à calendarização das eleições.

Se o Partido Republicano lhe recusar o apoio, se disserem que não acreditam em si, o que fará?

Acredito que o povo não aceitaria qualquer outra solução. Querem ver o seu candidato tornar-se no primeiro-ministro da Arménia e este objetivo tem de ser atingido.

Já falou com o Kremlin?

Tivemos uma reunião com uma delegação parlamentar russa na nossa Assembleia Nacional. Foi um encontro bastante positivo."