Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Análise do "dossier" Irão

Análise do "dossier" Irão
Tamanho do texto Aa Aa

Numa altura em que o Irão volta a ser destaque na agenda internacional, a Euronews falou com Pierre Conesa, um dos presidentes do Observatório da Radicalização. O especialista em relações internacionais não acredita nas provas anunciadas esta segunda-feira pelo primeiro ministro de Israel.

Benjamin Netanyahu não é a pessoa em quem mais confio. Já quando era membro do Knesset acusava o Irão de desenvolver uma bomba. Nessa altura, anunciou que o Irão teria a bomba em seis meses. Não podemos dizer que se tratou de uma previsão realista. A questão aqui é perceber se existe informação nova ou se é informação antiga, anunciada de forma muito agressiva.

Houve um programa nuclear e foi por isso que o acordo foi concluído e negociado com dificuldade. Chegámos à única conclusão que me pareceu lógica: o Irão é reconhecido como um país limite, isto é, um país que não concretiza a sua tecnologia e capacidade, reconhecidas por todos.

Fiquei muito surpreendido com as palavras de Macron quando visitou Trump, por dizer que é o Irão que desestabiliza o Médio Oriente. Tivemos 240 mortos e 900 feridos nas ruas de Paris por salafistas que nada têm a ver com o Irão mas que têm muito a ver com a Arábia Saudita. Vamos parar de demonizar o Irão porque o nosso problema é o terrorismo.

_No caso de os Estados Unidos saírem do acordo assinado em 2015, a primeira reação, provavelmente, será dos iranianos que retomarão o seu programa nuclear. Os europeus vão ser forçados a colocar água na fervura, mas já vimos que Trump não mudou o discurso depois da visita do Presidente Macron sobre os temas fraturantes como o acordo de Paris e o Irão. _