EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Violência e detenções em Jerusalém

Violência e detenções em Jerusalém
Direitos de autor REUTERS/Ammar Awad
Direitos de autor REUTERS/Ammar Awad
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dezenas de pessoas manifestaram-se contra a abertura da embaixada dos EUA em Jerusalém, o protesto acabou em violência e com detenções.

PUBLICIDADE

Várias dezenas de pessoas manifestaram-se em Jerusalém contra a abertura da embaixada dos EUA nesta cidade. A violência começou quando foi desvelada a bandeira palestiniana.

Entre os manifestantes estava uma deputada israelita. Ayda Toma diz-se indignada com o que está a acontecer:

"Jerusalém é palestiniana, intervir desta forma, tentando provar que vai ser unificada sob a soberania de Israel é inaceitável para nós. Netanyahu e Trump queriam mostrar ao mundo que toda a gente está a festejar mas nem todos estão dispostos a comemorar, principalmente, quando está a acontecer um massacre nas fronteiras de Gaza", afirmou Ayda Toma, deputada árabe-israelita do parlamento de Israel.

"O que é mais importante frisar é que há um número crescente de israelitas e judeus, por todo o mundo, que já perceberam que a ocupação é antiética e insustentável e querem construir um futuro partilhado com os palestinianos, com justiça, liberdade e dignidade, para todas as pessoas", frisou Ariz Pletshar, israelita, membro do grupo All that's left.

A manifestação terminou em violência e com, pelo menos 14 detenções.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Queda de bloco de pedra do Muro Ocidental quase provoca uma vítima

Estados Unidos vetam projeto para ONU reconhecer Palestina como membro pleno

Israel confirma ter matado o "número três" do Hamas em ataque na Faixa de Gaza