A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Governador do Banco de Itália adverte para riscos económicos da instabilidade política

Governador do Banco de Itália adverte para riscos económicos da instabilidade política
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O governador do Banco de Itália está preocupado com as consequências que a instabilidade política no país podem vir a ter na economia, em particular na dívida. A Itália vai, com alguma probabilidade, ter de ir a eleições antecipadas no outono, se o governo de gestão liderado por Carlo Cottarelli não conseguir que o orçamento seja aprovado. Eleições que podem significar um reforço dos partidos antissistema, a Liga e o Movimento Cinco Estrelas.

"As nossas condicionantes não são só as regras europeias, mas também a lógica contabilística, a lógica económica, intimamente ligada à obrigação que todos temos de não comprometer o futuro das próximas gerações. Aumentar a dívida significa fazê-las pagar aquilo que não queremos pagar agora", disse num discurso o governador do banco central italiano, Ignazio Visco.

A nomeação de Cottarelli segue-se à desistência de Giuseppe Conte, depois de o presidente Sergio Mattarella ter vetado o nome proposto para ministro das Finanças. Em entrevista exclusiva à euronews, o secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría, diz que estas mudanças políticas, a que assistimos em vários países, vêm do descontentamento das pessoas: "Estes resultados mostram que há muitas pessoas dispostas a votar contra. Mas contra o quê? Contra o establishment_. O pior caso é aquele em que as pessoas já não vão votar. O protesto mais grave é ficar longe das urnas"_.