Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Líderes líbios acordam em Paris a realização de eleições

Líderes líbios acordam em Paris a realização de eleições
Tamanho do texto Aa Aa

Reunidos em Paris, na presença do presidente francês, Emmanuel Macron, os mais importantes líderes das fações libias chegaram a um acordo para a realização de um conjunto de escrutínios que se quer "digno e pacífico."

Prometeram trabalhar juntos para que sejam realizadas eleições presidenciais e legislativas até ao fim do ano no país norte-africano.

Fayez al-Sarraj, primeiro-ministro líbio reconhecido pelas Nações Unidas, disse que "a participação das principais forças na conferência" era já "um passo positivo".

Al-Sarraj recordou que "todos anunciaram, de forma diferente, o seu acordo para que sejam realizadas eleições no próximo dia 10 de dezembro."

Quase sete anos depois da queda de Muamar Kadhafi, a Líbia continua dividida entre um Governo de união nacional, reconhecido pela ONU e um Governo paralelo, no leste do território.

O presidente Macron congratulou-se com os resultados da cimeira:

"É a primeira vez que, desta forma, o conjunto dos dirigentes, alguns dos quais não reconhecem a legitimidade de outros, aceitaram reunir-se e trabalhar juntos para aprovar uma declaração comum."

As partes comprometeram-se a adotar leis eleitorais comuns até setembro.

A Líbia é um país fragmentado entre forças rivais e grupos jiadistas poderão opor-se às eleições.

No início de maio, várias pessoas morreram num atentado reivindicado plos Jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou DAESH (sigla em língua árabe) que visava a Comissão Eleitoral.