A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Um intenso pesadelo de Verdi toma forma na "Força do Destino"

Um intenso pesadelo de Verdi toma forma na "Força do Destino"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

"A Força do Destino" é uma das melhores obras de Verdi. Envolve-nos na intensidade de um pesadelo, acolhido pela Casa da Ópera de Zurique, na Suíça, numa nova produção do enredo pela mente do diretor Andreas Homoki, sob a batuta de Fabio Luisi.

Nesta tragédia épica, o compositor italiano Giuseppe Verdi deu cor a um quadro intenso num dos trabalhos mais aclamados do compositor italiano, cuja estreia em palco aconteceu em 1862, no Teatro de São Petersburgo, à altura a capital da Rússia Imperial.

Indiferente ao peso de uma suposta maldição caída sobre esta ópera de Verdi, envolvendo mortes em palco e diversos outros incidentes, que levaram por exemplo Luciano Pavarotti a recusar interpretá-la, a Ópera de Zurique aceitou o desafio de levar à cena esta nova produção.

"Temos de enfrentar esta ópera com respeito porque é uma obra muito importante, pesada e difícil. Tem esta tonalidade de tragédia, mas também umas partes grotescas. Dar harmonia a tudo isto foi talvez o maior desafio", disse à Euronews Fabio Luisi, o diretor musical italiano, de 59 anos, que em breve irá assumir a liderança da Orquestra Sinfónica de Dalas, nos Estados Unidos.

Em "A Força do Destino", um conflito familiar acaba em morte, num contexto já de si envolto numa guerra. O destino entra em cena quando o amante de Leonora mata sem querer o pai dela.

"Quando lidamos com Verdi, percebemos que ele estava mais interessado nos conflitos interiores dos personagens do que no enredo da história. E é isso que vemos nesta ópera", explica à Euronews o alemão Andres Homoki, o diretor da Casa da Ópera de Zurique.

O palco, abstrato, mas sofisticado, surge-nos como um labirinto ou uma caixa onde os personagens são manipulados quase como marionetas e a atenção do espetador é centrada

nos conflitos interiores dos personagens de Verdi.

"Existe um cubo no meio. Podemos circula-lo, podemos afastar-nos, mas os personagens acabam sempre por se juntar de novo. É um género de caleidoscópio . Tem algo de magia", sublinha Andreas Homoki.

Um dos momentos altos é a ária de "Leonora". Intitulada "Pace, Pace, dio mio", é uma ode à paz, interpretada pela aclamada soprano russa, Hibla Gerzmava.

"É uma ária poderosa. É uma abertura completa da alma. Esta é sem dúvida uma mulher forte, deixada à espera durante muitos anos. É por isso que a força de 'Leonora' é revelada nesta ária, 'Pace, pace'", explicou-nos Hibla Gerzmava.

Fabio Luisi, o maestro, ressalta o "final poderoso". "É muito íntimo e, por isso, muito forte. É um trio de calma e esperança", concretiza.

A soprano ressalva "a partida para um outro mundo" de "Leonora". "Ela está feliz. Penso que ela vai partir para o paraíso porque ela sente-se realmente livre", conclui Hibla Gerzmava.