EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Parlamento israelita aprova legislação controversa

Parlamento israelita aprova legislação controversa
Direitos de autor 
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Deputados árabes denunciaram o caráter discriminatório da lei

PUBLICIDADE

O parlamento israelita aprovou um pacote legislativo controverso que define o país como um estado exclusivamente judaico.

Após mais de oito horas de debate agitado, a legislação foi aprovada por 62 votos contra 55.

O primeiro-ministro descreveu a nova lei como um momento de definição.

"Vamos continuar a assegurar direitos civis na democracia israelita, estes direitos não serão afetados, mas a maioria também tem direitos e a maioria decide. Uma maioria absoluta vai assegurar o caráter judaico do nosso estado para as próximas gerações", afirmou o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

Os deputados árabes denunciaram o pacote afirmando que se trata de uma legislação discriminatória.

"Esta lei de nacionalidade é um crime de ódio, eles estão a discirminar contra os cidadãos árabes, contra a minoria árabe", reclamou Ahmed Tibi, um deputado árabe presente no debate.

Há muito que a minoria árabe se queixa de ser tratada como cidadãos de segunda classe.

Este perito afirma que a nova lei é abertamente discriminatória.

"O problema é que a lei muda a relação entre Israel enquanto democracia e Israel enquanto estado judaico. É claro que os legisladores recusam-se a incluir o direito à igualdade dentro da lei fundamental tal como escrita na nossa declaração de Independência", acrescenta o Dr. Amir Fuchs do Instituto Israelita para a Democracia.

De recordar que a população árabe constitui cerca de 20% da população de Israel estimada em 9 milhões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hamas anuncia acordo de cessar-fogo em Gaza

Mulher de Benjamin Netanyahu acusada de fraude

ONU questiona intervençâo de Israel na Faixa de Gaza