Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Uso do telemóvel pode afetar a memória dos jovens

Uso do telemóvel pode afetar a memória dos jovens
Tamanho do texto Aa Aa

Um estudo levado a cabo pelo Instituto Suíço de Medicina Tropical e de Saúde Pública aponta para uma possível relação entre o uso do telemóvel na adolescência e a perda de memória.

Os investigadores do SWISS TPH focaram-se em quase 700 jovens helvéticos, com idades compreendidas entre os 12 e os 17 anos.

Durante cerca de um ano, a equipa levou a cabo vários tipos de testes, para ver como se encontrava o estado da memórias dos jovens, depois de uma utilização regular de telemóveis.

Martin Röösli, professor associado e líder da unidade de pesquisa responsável pelo projeto explica em que consistiram:

"Fizemos três tipos de testes diferentes. Um foi sobre a memória verbal, localizada no lado esquerdo do cérebro. Outro foi à memória figurativa, que usa o lado direito. E fizemos também um teste de concentração, onde é utilizada a parte dianteira."

A orelha do telemóvel

"Podemos observar que a memória figurativa é a mais afetada, e, o que é mais interessante, acontece com os adolescentes que usam o telefone no lado direito da cabeça."

Os resultados foram apresentados no início desta semana e dados a conhecer numa publicação científica digital. Mas o professor Martin Röösli diz que os resultados não podem ainda ser considerados como definitivos:

"Prefiro ser cauteloso quanto à interpretação dos resultados, que devem ainda ser confirmados por estudos. Mas a boa notícia é que a maior distância o efeito reduz-se rapidamente. O facto de manter o telemóvel a 10 centímetros da cabeça, por exemplo, reduz o efeito de radiação."

Agora, cabe aos neurocientistas descobrir se existe mesmo uma relação de causa-efeito entre a utilização do telemóvel e a perda de memória. O Instituto Suíço de Medicina Tropical e Saúde Pública recorda que esta é uma área de estudo ainda recente.

Os resultados foram dados a conhecer no início desta semana na publicação científica digital Environmental Health Perspectives.