A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Pelo menos 19 mortos no Laos mas número pode subir

Pelo menos 19 mortos no Laos mas número pode subir
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Equipas de resgate chinesas e tailandesas continuavam com missões no interior do Laos na quarta-feira, onde mais de três mil pessoas se encontravam encurraladas depois do colapso de uma barragem de grandes dimensões em construção, que deixou pelo menos 19 mortos.

O acidente teve lugar segunda-feira, na província de Attapeu, sul do país. Uma empresa sul-coreana diz que a água das chuvas poderá ter contribuído para o colapso da estrutura. Países como Singapura e a Coreia do Sul ofereceram-se para ajudar nas missões de resgate.

A má qualidade das redes de comunicação em Attapeu impede uma maior eficácia nas tarefas de busca e resgate.

A agência Reuters diz que um representante do Governo do país asiático contou, numa entrevista telefónica a partir de Vienciana, sob anonimato, que o número de mortes deverá ser muito superior.

A agência noticiosa Estatal laociana, a KPL, conta que a rutura fez com que milhões de litros cúbicos de água inundassem aldeias inteiras. Os media Estatais mostraram imagens de grupos de pessoas a deixar as regiões inundadas em pequenas embarcações, com o que tinham podido salvar.

Esta quarta-feira, as Nações Unidas tinham como estimativas do acidente cinco mortos confirmados, 34 pessoas dadas como desaparecidas, quase 1500 resgatados e quase 12 mil pessoas afetadas em mais de 350 aldeias.

A ONU diz ainda que pelo menos 20 casas foram destruídas e mais de 220 casas e pelo menos 14 pontes foram afetadas pelas cheias.

Laos, um dos últimos países com um regime comunista em todo o mundo, é também um dos países mais pobres de Ásia.

Um centro regional de produção

O Estado quer tornar-se num centro de produção energético a nivel regional, pelo que favorece a construção de grandes barragens.

No entanto, o Governo depende quase totalmente do investimento estrangeiro para construir barragens e lança concessões comerciais que implicam a exportação de energia para os vizinhos, geralmente mais desenvolvidos, como é o caso da Tailândia.

Perigos ambientais

Mas as agências de defesa do ambiente dizem que as decisões governamentais têm um enorme custo sobre as populações rurais e sobre a fauna e a flora do Laos, especialmente em regiões como Attapeu, província rural, limítrofe com o Vietname e com o Cambodja.

A Organização Não Governamental tailandesa TERRA diz que existem atualmente cerca de 11 barragens em construção no Laos e que existem várias em fase de projeção.

A barragem que colapsou era parte do projeto de vários milhões de euros conhecido como Xe Pian Xe Namnoy, que inclui capitais laocianos, tailandeses e sul-coreanos. O principal parceiro do projeto é a sul-coreana SJ Engineering and Construction.